Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região PELO MUNDO

Gaúchos da Região Metropolitana contam diferenças e experiências de fora do Brasil

Oito ex-moradores da região falam sobre os desafios da adaptação e as alegrias na nova terra adotada

Por Carla Fogaça
Publicado em: 06.08.2022 às 16:19

É cada vez mais comum conhecer alguém que foi morar no exterior, seja por transferência de trabalho, estudos ou por escolha própria e vontade de recomeçar. De acordo com dados do Ministério das Relações Exteriores, ocorreu um crescimento, entre 2018 e 2020, de 16% no número de brasileiros indo morar fora do Brasil.

O poder de compra e a variedade de empregos são motivos que fizeram grande parte dos brasileiros deixarem o País. Conforme relata o técnico de futebol César Ramos, de 34 anos, na Austrália, onde mora há cinco anos, encontrar pessoas de diferentes lugares é a melhor parte. "O contato com culturas e pessoas diferentes nos faz crescer. Sou de Parobé, então com a mudança aprendi a ter um olhar mais atento aos detalhes, para poder entender outro ser humano", conta.

O sapiranguense e treinador de tênis Mauricio Henn, 26, se mudou para Portugal com a esposa há quase quatro anos. Henn saiu do Brasil para estudar e acrescenta que a vivência tem sido uma escola. "Algo que me chamou atenção aqui é que os europeus são mais 'frios' que nós brasileiros, não é a toa que muitos dizem 'o Brasil é um país onde todos estão alegres sempre'."

A engenheira Luana Kehl, 27, deixou Ivoti para um intercâmbio de au pair na Alemanha e diz que os nove meses longe têm sido uma experiência desafiadora, mas fantástica, com boa adaptação. Como o intercâmbio de Luana tem duração de um ano, ela vai buscar vagas de serviço voluntário para permanecer no país. "Não penso mais em voltar para o Brasil, não descarto mudar de ideia, mas hoje eu digo: de jeito nenhum."

Para a hamburguense Monique Saltiel Petró, 27, as diferenças culturais são muitas. Ela escolheu San Diego, na Califórnia, para chamar de novo lar e diz que, sem dúvidas, o povo brasileiro é mais caloroso. "Gostamos de contato físico e de estar perto uns dos outros. Porém, no dia a dia, a educação do americano é algo surpreendente, o povo é muito correto e bem educado", salienta.

Choque cultural

Para Lucas Konrath Eccel, 22, o maior choque cultural que sentiu foi com o inglês. Lucas deixou Novo Hamburgo aos 14 anos e foi morar com o pai em Christchurch, na Nova Zelândia. "Meu pai já morava aqui, o que ajudou na minha mudança, mas mesmo assim no começo não foi fácil. São muitas diferenças, incluindo o clima e hábitos simples de viver", conta Lucas.

A profissional de comunicação Letícia Baum, 25, morava em Sapiranga e mudou-se para Vancouver. Para ela, o Brasil não tem nada semelhante com o Canadá, começando pelo clima. "No inverno aqui na província não faz tanto frio e não tem tanta neve, porém, chove todos os dias e quase nunca tem sol. O Rio Grande do Sul é frio no inverno, mas tem sol. E eu não sabia o quanto precisava de sol até vir para cá", conta.

A hamburguense Daniela Rosa, 42, se mudou para o Canadá com a família com visto para trabalho. "Estamos aqui desde 2017 e super nos adaptamos. Eu era formada em fisioterapia no Brasil e o diploma não era válido aqui, então cursei design de interiores, que era uma paixão antiga, e hoje é minha nova profissão."

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.