Publicidade
Notícias | Região Meio Ambiente

Avança etapa de licitação para conter cheias no Sinos

Empresa Ecossis Soluções Ambientais de Porto Alegre apresentou a melhor proposta para o projeto

Publicado em: 17.05.2021 às 08:52 Última atualização: 17.05.2021 às 08:57

Bacia do Sinos é afetada pelas consequências da urbanização desenvolvida na região Foto: Diego da Rosa/GES

A empresa Ecossis Soluções Ambientais, de Porto Alegre, apresentou a melhor proposta no pregão eletrônico para licitação do estudo de impacto ambiental, do relatório de impacto ambiental e do projeto básico ambiental do sistema de proteção contra cheias na Bacia do Rio dos Sinos. Este levantamento é que antecede os projetos de execução, o último passado para que obras capazes de amenizar e conter as enchentes possam sair do papel. A próxima etapa do certame é a avaliação da documentação entregue, que deve ocorrer até segunda-feira.

O valor de referência da concorrência era de R$ 1.126.646,74, e o desconto ofertado pela empresa foi de 64,5%, o que representaria a oferta de R$ 399,9 mil pelo serviço . No entanto, o governo do Estado ainda não fala em cifras finais porque ainda não foi fechada a contratação.

Levantamento licitado integra o Plano Metropolitano de Proteção Contra Cheias na Bacia dos Sinos que começou em 2012 Foto: Diego da Rosa/GES
Conforme o diretor de Incentivo ao Desenvolvimento da Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan) , Dilson Pila, se a empresa cumprir todas as exigências e não houver recursos, a homologação do contrato deve ser assinada nesta terça-feira.

Essa mesma empresa também venceu a licitação para realizar o estudo da Bacia do Rio Gravataí. O levantamento licitado integra o Plano Metropolitano de Proteção Contra Cheias na Bacia dos Sinos que começou a ser idealizado em 2012, quando a Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan) recebeu R$ 10 milhões do Ministério das Cidades, por meio do Plano Nacional de Gestão de Riscos e Respostas a Desastres Naturais (PAC 2).

A primeira etapa foi concluída em 2018 com os Estudos de alternativas e projetos para minimização do efeito das cheias, ao custo de R$ 3,6 milhões.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.