Publicidade
Notícias | Região Meio Ambiente

Projeto prevê investimento de R$ 4,5 milhões nas bacias do Sinos e Gravataí

Adesão do Rio Grande do Sul a convênio do plano nacional de revitalização hidrográfica deve trazer investimentos e benefícios sociais e ambientais

Publicado em: 20.08.2020 às 03:00 Última atualização: 20.08.2020 às 10:40

Rio dos sinos Foto: Inezio Machado/GES

O Rio Grande do Sul passará a integrar o Plano Nacional de Revitalização de Bacias Hidrográficas do Ministério de Desenvolvimento Regional (MDR). O Departamento de Recursos Hídricos e Saneamento (DRHS) da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema) está à frente do projeto, que prevê um investimento de R$ 4,5 milhões nas bacias dos rios Gravataí e Sinos, com 10% de contrapartida do governo gaúcho.

A proposta apresentada pelo RS está vinculada a uma estratégia de segurança hídrica, com ações que visam a melhoria quali e quantitativa das águas. De acordo com o secretário Artur Lemos Júnior, as possíveis ações contemplam preservação, conservação e recuperação do meio ambiente, no intuito de reverter ou reduzir os impactos ambientais ocorridos nestas unidades hidrográficas, com consequências relevantes nas áreas social e econômica.

Recurso essencial

"Todos nós sabemos que a água é um recurso natural limitado, essencial à vida e ao funcionamento dos ecossistemas e possui importância estratégica no desenvolvimento socioeconômico e no bem-estar dos povos. Nesse sentido, os desafios postos para a gestão das águas demandam uma visão e uma resposta abrangente e integrada, com o reconhecimento das conexões entre a água, o solo, as florestas e o clima, e sua importância para o desenvolvimento sustentável", reforça Artur.

A assinatura do convênio deve ocorrer ainda este mês, após a entrega do Plano de Trabalho. O documento está sendo desenvolvido sob a coordenação dos técnicos da Sema, envolvendo os comitês do Gravataí e do Sinos, Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan), Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan) e o grupo de gestão da Área de Proteção Ambiental Banhado Grande.

Entre as principais ações estão a recuperação de áreas de preservação permanente, a recomposição da cobertura vegetal, a elaboração de diagnósticos ambientais, a recuperação e controle de processos erosivos e de áreas degradadas, a conservação e recuperação de áreas de recarga de aquífero e a conservação da biodiversidade.

 

Plano de atuação

Conforme o diretor do DRHS, Paulo Paim, um conjunto de ações e intervenções será realizado, aprimorando as condições das bacias e a otimização do uso dos recursos naturais. "A proposta técnica associada à mobilização social mostrará à comunidade o quanto as ações vão evoluir, entregando resultados perenes aos gaúchos", destaca Paim.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.