Publicidade
Acompanhe:
Notícias | Região Criminalidade

A vizinha Cachoeirinha é a favorita de 'bandidos-tatu'

Os números comprovam. Foram seis casos de furto e arrombamento na cidade nos últimos seis meses. Todos envolvendo buracos feitos nas paredes

Última atualização: 17.02.2020 às 16:55

Buracos são abertos por "bandidos-tatu" mirando entrar em prédio e saquear cofres. Ocorrências aumentam nesta época do ano, segundo a polícia Foto: ARQUIVO/GES
Canoas registrou um caso de furto e arrombamento na madrugada desta segunda-feira (17), no qual criminosos quebraram uma parede para chegar até um caixa eletrônico no bairro Niterói. O caso, entretanto, é isolado. Faz tempo que a cidade não anotava nenhum crime desta natureza. Aliás, os números comprovam. À parte a capital Porto Alegre, nenhum outro município da Região Metropolitana registra tantos casos de furto e arrombamento em estabelecimentos comerciais quanto a vizinha Cachoeirinha.

São estes mesmos crimes em que os bandidos fazem buracos nas paredes noite adentro para chegar até o produto-alvo. Levam tudo e fica só o saldo do prejuízo da loja Em apenas seis meses, foram seis casos idênticos. Conforme a delegada Miriam, não é difícil pensar que bandidos que agem em Cachoeirinha estejam de olho também em Canoas. "Não existe ponto fixo. Atacam hoje em Canoas; amanhã em Cachoeirinha ou Esteio. E assim vai."

A perícia com a marreta, contudo, não é a garantia de um bom furto, segundo o experiente delegado Leonel Baldasso, que durante anos apurou a atuação de "bandidos-tatu." “Estes são crimes muito bem planejados”, frisa. “Não é um cara que sai à noite com uma marreta que fica abrindo buracos a esmo. Acreditamos sempre na participação de no mínimo uns quatro em cada um destes crimes”, aponta. “Até porque, dependendo da parede, demora para quebrar. Cansa. E os caras chegam a abrir dois ou três buracos até chegar onde querem.”

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.