Publicidade
Acompanhe:
Notícias | Região Política

Entenda como será sessão que poderá cassar mandatos de mais três vereadores em Sapiranga

Alessandro Mello já teve mandato cassado; Cesino de Carvalho (PP), Valmir Pegorado (PDT) e Leonardo Braga (PSDB) terão dia decisivo na terça-feira (19)

Por João Ávila
Última atualização: 16.11.2019 às 10:54

Alessandro Melo, que já teve mandato cassado, Cesino de Carvalho, Leonardo Braga e Valmir Pegoraro Foto: Arte/GES
Na próxima terça-feira, dia 19, o Plenário da Câmara de Sapiranga vota o relatório da Comissão de Ética que defende a cassação de três vereadores por quebra de decoro parlamentar. Cesino de Carvalho, o Dula (PP), Valmir Pegorado, o Baxo (PDT) e Leonardo Braga, o Léo (PSDB) foram indiciados pela Polícia Civil por corrupção ativa e passiva. Segundo investigação, teriam negociado voto, em troca de dinheiro, para eleição da Mesa Diretora no ano passado.

Ocorre que a decisão poderá ser em sessão extraordinária. Pelo Regimento Interno da Câmara de Sapiranga, as sessões devem durar, no máximo quatro horas. Os trabalhos serão abertos às 14h30. Quando o julgamento começar de fato, a defesa de cada um dos três vereadores terá uma hora para sustentação oral. Depois, os 15 vereadores votam e cada um pode justificar a decisão, o que demandará mais tempo. Quando as quatro horas vencerem, a presidente Olívia Steigleder (PP) encerra os trabalhos e, na sequência, convoca sessão extraordinária, que inicia logo depois, dando continuidade à votação.

Não levou

Na quinta-feira, véspera de feriado, o vereador Baxo entrou com mandado de segurança contra a realização da sessão. Em decisão publicada na sexta-feira pela manhã, o pedido foi negado.

 

Suplentes votam

Como estão afastados dos cargos por decisão judicial, a partir de solicitação do delegado Fernando Pires Branco, os suplentes assumiram as cadeiras. E os três estão aptos a votarem.

 

Um já foi

Antes da abertura das investigações contra Baxo, Dula e Léo, a Câmara de Sapiranga já havia cassado Alessandro de Mello (PP), que foi flagrado pela polícia vendendo uma arma de fogo de forma ilegal. Ele também responde a esta comissão, mas como já foi cassado, um novo julgamento perde o objeto.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.