Publicidade
Acompanhe:
Notícias | Região Cinema

'Doutor Sono' é sequência do clássico de Stephen King

Terror em cartaz em Canoas levo o público de volta aos quartos do Overlook Hotel, que marcou "O Iluminado", com Jack Nicholson

Última atualização: 07.11.2019 às 19:48

Ewan McGregor faz pose de Jack Nicholson na sequência do clássico Foto: WARNER BROS/DIVULGAÇÃO
Antes de tudo, vamos aos fatos: 1) O escritor Stephen King ama verdinhas, valorizando cada centavo que ganha; 2) King odeia "O Iluminado", adaptação do genial cineasta Stanley Kubrick para uma de suas obras mais conhecidas. Dito isso, chega hoje aos cinemas "Doutor Sono", adaptação cinematográfica da sequência criada pelo escritor americano para o romance original lançado nos anos 70. Em resumo, livro e filme tratam da vida de Danny Torrance. Para quem não lembra, Danny era o menino cujo triciclo passeava pelos aterrorizantes corredores do Hotel Overlook, onde Jack Nicholson tentava matar a família com um machado.

Ainda extremamente marcado pelo trauma que sofreu quando criança no hotel, o agora adulto Torrance (Ewan McGregor) luta para encontrar o mínimo de paz. Eis que tudo vai abaixo quando ele encontra Abra (Kyliegh Curran), uma adolescente com o mesmo poder extrassensorial que Dan tinha. Ela é "brilhante", como descrito no clássico do terror de 1980. A menina então pede sua ajuda para combater a impiedosa Rose Cartola (Rebecca Ferguson) e seus seguidores do grupo Verdadeiro Nó, que se alimentam do "brilho" de inocentes visando a imortalidade.

"Doutor Sono" chega aos cinemas pelas mãos do cineasta Mike Flanagan que, vale dizer, não tem o mesmo talento que Stanley Kubrick.O histórico de filmes de terror do cineasta inclui os pouco impressionantes "Jogo Perigoso", "Ouija - Origem do Mal", "O Sono da Morte", "Hush: A Morte Ouve" e "O Espelho." Entretanto, foi na TV, com a bela bela série do Netflix "A Maldição da Residência Hill", que o cineasta se credenciou a levar a obra de King às telonas.

Apesar das referências à obra original, "Doutor Sono" vem de uma fonte bem distante do material original. O próprio livro já é bastante diferente. Então fica o aviso: o terror não tem aparição de Jack Nicholson, o estilo de Stanley Kubrick, nem muitas cenas no Hotel Overlook. O terror aqui é mais contemplativo e infinitamente menos gélido e tenebroso.


Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.