Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | País PRÉ-CANDIDATO A GOVERNADOR

Relator da CPI diz que pedirá indiciamento do senador Heinze

Como justificativa, Renan Calheiros citou apresentação de 'estudos falsos' por parte do pré-candidato ao governo do Estado do RS

Publicado em: 26.10.2021 às 12:47 Última atualização: 26.10.2021 às 13:00

Pré-candidato ao governo do Estado, o senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) passa a integrar a lista da CPI da Covid que sugere o indiciamento de 79 pessoas e duas empresas. Ao citar a inclusão do nome do senador, o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), mencionou a apresentação de estudos falsos por parte de Heinze, "apesar das advertências".

"Pela maneira como, apesar das advertências, o senador Heinze rescindiu aqui todos os dias apresentando estudos falsos, logo, negados pela ciência, e pela maneira como incita o crime em todos os momentos, eu queria, nesta última sessão, dar um presente à vossa excelência. Vossa excelência será o octogésimo primeiro indiciado dessa comissão parlamentar", declarou Renan.

O anúncio foi feito nesta terça-feira (26) durante reunião para votar o relatório final dos trabalhos da CPI, que duraram seis meses. 

Relator da CPI diz que pedirá indiciamento do senador Heinze
Relator da CPI diz que pedirá indiciamento do senador Heinze Foto: Roque de Sá/Agência Senado

O pedido para que Heinze fosse incluído na lista do relatório final foi feito pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) no momento em que Heinze e outros dois governistas apresentavam relatórios paralelos, numa estratégia para defender o governo Bolsonaro e usar o tempo de 15 minutos para leitura do parecer na última reunião do colegiado.

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) acusou a CPI de não realizar uma "investigação verdadeira". Segundo ele, o colegiado "vendeu informações que passam a impressão que o governo federal é o único responsável pela condução de serviços de saúde", ressaltando que o sistema de saúde brasileiro é descentralizado.

O senador Luis Carlos Heinze (PP-RS), também autor de um voto em separado, engrossou o coro de críticas à CPI. Insistente em temas como tratamento precoce, Heinze justificou que foi "muitas vezes ironizado", mas manteve a "coerência e o posicionamento em buscar a verdade". Para ele, os trabalhos da CPI serviram apenas para "menoscabar" o conceito que a população tem do Senado.

O parecer de Renan deve ser aprovado por sete votos a quatro, derrotando os votos em separado.

*Com informações da Agência Estado

Relator sugere indiciamento de 81

Renan Calheiros (MDB-AL) leu os nomes de 81 pessoas e empresas com pedidos de indiciamento sugeridos pela CPI. Segundo o relator, o “primeiro indiciado” é o presidente da República, Jair Bolsonaro. A relação traz ainda os nomes de seis ministros ou ex-ministros. São eles: Eduardo Pazuello, Marcelo Queiroga, Onix Lorenzoni, Ernesto Araújo, Wagner Rosário e Walter Braga Netto.

A lista inclui ainda três dos quatro filhos do presidente Jair Bolsonaro: o senador Flavio Bolsonaro (Patriota-RJ), o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Renan sugere ainda o indiciamento dos deputados federais Bia Kicis (PSL-SP), Carla Zambelli (PSL-SP), Carlos Jordy (PSL-RJ), Osmar Terra (MDB-RS) e Ricardo Barros (PP-PR),

O relator também recomenda o indiciamento de integrantes do gabinete paralelo, como a oncologista da Nise Yamaguchi, e de pessoas suspeitas de disseminar fake news. Entre elas, os empresários Luciano Hang e Carlos Wizard, além do senador Luis Carlos Heinze (PP-RS).

Fonte: Agência Senado

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.