Publicidade
Cotidiano | Tecnologia Economia

Pix: conheça conheça a nova forma de pagar contas e transferir dinheiro

Nova solução de pagamento instantâneo pretende simplificar o mercado no Brasil com instantaneidade, mas não está livre de tarifas

Por Nicolle Frapiccini
Publicado em: 12.09.2020 às 08:30 Última atualização: 13.09.2020 às 10:40

O universo do sistema de pagamentos no Brasil passará, em novembro, a contar com um novo integrante que se junta à família das transferências, como TED, DOC, e de pagamentos, como boleto. Mas antes de entrar em operação, o Pix, criado e gerido pelo Banco Central do Brasil (BC), chama a atenção no mercado e entre os brasileiros, que terão essa funcionalidade a mais em breve.

O diretor de Organização do Sistema Financeiro e de Resolução do BC, João Manoel Pinho de Mello, define o Pix como uma multiproposta. "Pode ser utilizado nas mais diversas situações, com benefícios para pagadores, recebedores e, em última instância, para o Brasil como um todo, promovendo a eletronização dos pagamentos, fomentando a competitividade do setor, reduzindo custo com numerário e alavancando a inclusão financeira." E é exatamente essa multiproposta que permite pagamentos na hora até em feriados e fins de semana, mas que não está livre de tarifas, que detalhamos a seguir.

Por dentro da nova solução

A qualquer hora

O serviço estará disponível 24 horas por dia, sete dias por semana para pessoas físicas e jurídicas. Dessa forma, por exemplo, o João poderá transferir R$ 200,00 da sua conta na instituição X para a conta da Maria na instituição Y até em feriados e finais de semana. Da mesma forma, o João poderá pagar boletos nesses dias. Apesar de permitir pagamentos aos fins de semana e feriado, o Pix não altera a regra de adiar para o próximo dia útil o pagamento sem a incidência de multa e juros de boletos ou contas com vencimento em feriados e fins de semana. Afinal, o Pix é mais uma forma de pagamentos disponível aos brasileiros, que podem optar por utilizar ou não.

Instantaneidade

A estimativa passada pelo BC é de que a operação leve até 10 segundos para ser finalizada, mesmo em dia não útil ou fora de horário comercial. Dessa forma, a Maria receberá em até 10 segundos, após o João confirmar a operação, o valor de R$ 200,00 na sua conta. Da mesma forma, o valor do boleto pago por João já estará disponível para o recebedor 10 segundos após a finalização da transação.

Chave Pix

Na hora de fazer um Pix, o pagador não precisará preencher todos os dados que atualmente são solicitados em transações como TED, DOC. Só precisará de uma chave, que pode ser um e-mail, número de celular, CPF/CNPJ ou uma chave aleatória (forma de receber um Pix sem precisar informar dados pessoais ao pagador. É um conjunto de números, letras e símbolos gerados aleatoriamente). Se o João precisa fazer um Pix para a Maria, ele informará apenas uma chave. Caso a Maria tenha conta em mais de um banco - que é um prestador de serviços de pagamentos - ela terá que vincular uma chave para cada conta. Assim, o e-mail pode estar vinculado à conta na instituição X e o CPF, na Y. Caso ela só tenha uma conta em uma das instituições participantes, Maria poderá vincular todas as chaves a essa conta. O cadastro da chave não é obrigatório, mas recomendado. O cliente pode receber transações informando os dados da conta.

Saque no varejo

Uma pessoa pode fazer um saque em estabelecimentos comerciais, desde que esses aceitem a transação. Se o João está em um local em que não tem acesso a caixa eletrônico e precisa de dinheiro em espécie, ele pode procurar um estabelecimento que aceite que ele faça um Pix como se fosse um saque. João faz um Pix para o estabelecimento, que entrega a ele o valor.

Custo

O Pix será gratuito para pessoas físicas que realizam a transferência ou o pagamento. Entretanto, quem recebe um Pix pode ser tarifado pela instituição à qual a sua conta está vinculada. Assim, se o João, como pessoa física, fizer um Pix para a Maria. O João estará isento de tarifa, já a Maria pode ser tarifada, vai depender da sua instituição. Para pessoa jurídica, há o risco de tarifa. O BC estima que o custo da transação seja mais baixo que o de outros serviços ofertados no mercado. As instituições que utilizarem o Pix terão um custo, que deverá ser pago ao BC, de R$ 0,01 para cada 10 operações.

O que é

Marca, lançada pelo Banco Central do Brasil, para o serviço de pagamento instantâneo, que proporciona a realização de transferências e pagamentos por meio de QR codes ou chaves. Dessa forma, o Pix é um meio de pagamentos, assim como TED, DOC, boleto ou transferência por exemplo. Assim, é mais uma alternativa ofertava no mercado que estará a disposição dos brasileiros.

Como funciona

O serviço nasce junto com o Sistema de Pagamentos Instantâneos (SPI), infraestrutura centralizada no Banco Central que liquida (finaliza) as transações do Pix quando feita entre instituições diferentes do sistema financeiro (inclui as instituições de pagamento, que tecnicamente não são parte do sistema financeiro). O SPI vai funcionar 24 horas por dia, sete dias por semana. E dentro dessa estrutura, o Pix será rodado e permitirá a realização de pagamentos e transferências aos feriados e finais de semana. Com o conceito de instantaneidade, a operação será finalizada em até 10 segundos.

Quem pode utilizar

Qualquer pessoa física ou jurídica pode fazer um Pix. Para isso é preciso ter uma conta em um prestador de serviços de pagamento, seja uma instituição financeira ou uma instituição de pagamento, participante do Pix. Essa conta pode ser uma conta corrente, uma conta de poupança ou uma conta de pagamento pré-paga. Como o serviço será disponibilizado somente por meio dessas instituições financeira ou de pagamento, os brasileiros não precisarão baixar um aplicativo próprio para fazer a operação.

Limites

Não há limite mínimo para pagamentos ou transferências via Pix. Também não há limite máximo de valores para fazer um Pix. Entretanto, para combater fraudes as instituições podem limitar o serviço ao identificarem alguma movimentação atípica.

Calendário

19 de fevereiro - Banco Central do Brasil anuncia a marca Pix com compromisso de início das operações em novembro

5 de outubro - A partir desta data, as instituições que aderiram vão poder cadastrar as chaves e por isso elas devem começar a chamar os clientes para a realização deste cadastro

3 de novembro - Soft opening para testes com usuários selecionados

16 de novembro - Serviço será disponível para todos brasileiros

 

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.