Publicidade
Acompanhe:
Notícias | Novo Hamburgo

Entrevista

Última atualização: 17.02.2020 às 07:00

Médica generalista Pauline Simas esclarece dúvidas sobre causas, sintomas, tratamento e prevenção destes transtornos

Jornal NH: Como é feito o diagnóstico de doença mental?
Pauline Simas:
Nós trabalhamos com a história individual de cada pessoa, analisando sua saúde mental com perguntas, verificando sua memória, humor, postura e buscando descobrir se há outras doenças associadas que podem causar problemas psiquiátricos.

Qualquer tipo de preocupação é caracterizada como ansiedade?
Pauline Simas:
A ansiedade pode ser algo normal, como quando a pessoa vai para uma entrevista de emprego, apresentação de trabalho, viagem, entre outros. Porém pode ser uma ansiedade generalizada. Nesse caso, é um transtorno patológico, que gera desconforto e precisa de tratamento. É uma angústia desproporcional ao acontecimento e traz apreensão, pode durar mais de seis meses, é uma preocupação exagerada, que tira a paz da pessoa, ocasiona medos e falta de controle dos pensamentos.

Quais são os sintomas da ansiedade generalizada?
Pauline Simas:
Inquietação, cansaço, irritabilidade, dificuldade de concentração, tensão muscular, alterações no sono e a pessoa costuma ficar mais agitada. Os casos mais graves geram dores no peito, palpitações, falta de ar, suor excessivo e náuseas, simulando até os sintomas de um infarto.

Toda tristeza representa depressão?
Pauline Simas:A tristeza comum costuma ter um motivo bem definido e ainda pode trazer choro e dor no corpo. Já a tristeza da depressão é uma angústia profunda, às vezes sem um motivo principal aparente. Ela pode levar a pensamentos suicidas. Com depressão, a pessoa costuma ficar com energia reduzida, falta de vontade, causa mudança de hábitos, autodesvalorização, sentimento de culpa, perda de prazer e alegria, pensamentos de morte como forma de alívio, só avaliações negativas sobre si mesmo, alterações de sono e apetite, redução de interesse sexual, dores no estômago, peito e cabeça.

Quais os fatores de risco da depressão?
Pauline Simas: Histórico familiar, estresse crônico, até mesmo a ansiedade, se ela for minimizada e não tratada, pode levar à depressão, além da dependência de álcool, drogas e outros gatilhos.

Existe tratamento para ambas as doenças?
Pauline Simas: Sim. O tratamento é individualizado e requer um conjunto de ações. A psicoterapia, com psicólogo ou psiquiatra, além de uma possível combinação com medicamentos. A busca pela ajuda pode ser nas Unidades de Saúde da Família e Unidades Básicas de Saúde.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.