Publicidade
Notícias | Especial Coronavírus Rio Grande do Sul

O que fez o mapa do Distanciamento Controlado ficar todo laranja

Além da região de Novo Hamburgo apenas outras duas regiões Covid já possuem protocolos de cogestão menos restritivos aprovados

Publicado em: 28.09.2020 às 18:57 Última atualização: 28.09.2020 às 19:00

Mapa do Distanciamento Controlado Foto: Governo do Estado / Reprodução
Depois de mais de três meses com regiões apresentando risco epidemiológico alto, portanto, bandeira vermelha, o Rio Grande do Sul ficou, pela primeira vez, com o mapa definitivo da 21ª semana do modelo de Distanciamento Controlado todo laranja.

CONTEÚDO ABERTO | Leia todas as notícias sobre o coronavírus

As bandeiras das 21 regiões Covid foram confirmadas pelo governo do Estado nesta segunda-feira (28), após reunião do Gabinete de Crise, que pela primeira vez não recebeu nenhum pedido de reconsideração das associações regionais.

Com o modelo de cogestão, as regiões em laranja podem adotar protocolos de bandeira amarela (risco baixo). Até o momento, apenas as regiões de Novo Hamburgo, Santa Cruz do Sul e Santa Maria têm os protocolos menos restritivos da nova classificação aprovados.

O que deixou o mapa todo laranja?

O que fez com que o RS voltasse a ter um mapa sem a cor vermelha foram os indicadores levados em conta pelo modelo. Tanto os dados da propagação da Covid-19 como os de capacidade de atendimento hospitalar vêm apresentando melhora progressiva nas últimas semanas. Nesta 21ª rodada, todos os 11 indicadores, na média estadual, melhoraram.
Entre os principais dados do RS estão os seguintes:

• O número de novos registros semanais de hospitalizações confirmadas com Covid reduziu 25% entre as duas últimas semanas (de 1.061 para 793);

• O número de internados em UTI por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) reduziu 9% (de 884 para 806);

• O número de internados em leitos clínicos com Covid reduziu 12% (de 778 para 688) e em leitos de UTI com Covid reduziu 5% (de 693 para 658);

• O número de leitos de UTI adulto livres para atender Covid aumentou 11% (de 614 para 684);

• O número de casos ativos reduziu 9% (de 10.793 para 9.805);

• O número de óbitos por Covid reduziu 19% (de 338 para 273).

Segundo a coordenadora do Comitê de Dados, Leany Lemos, o modelo do Distanciamento Controlado foi dividido por regiões e por atividades e atualizado semanalmente, para que as restrições pudessem ser feitas no local, na proporção e momento adequados conforme o resultado do cálculo.

A coordenadora lembrou que houve bandeira amarela nas semanas iniciais do modelo, antes do pico que já era projetado para o mês de julho, o que efetivamente aconteceu, mas que nestas 21 semanas, o RS não registrou nenhuma bandeira preta. “Quer dizer que o modelo funciona, porque quando houve bandeira vermelha, foram aplicadas as devidas restrições às atividades econômicas, reduzindo a circulação de pessoas, e logo, a circulação do vírus. Com isso, conseguimos controlar a situação e retornar para uma bandeira laranja”, acrescentou.
Conforme Leany, os principais indicadores que têm caído são a ocupação de leitos UTI e leitos clínicos e o número de óbitos por Covid.

Com 4.647 óbitos no acumulado, o Estado tem taxa de 40,67 mortes para cada grupo de 100 mil habitantes, o que representa a quarta melhor média nacional. Se o RS reproduzisse aqui a média nacional (67,45), mais de 7,5 mil gaúchos teriam perdido a vida para a Covid-19.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.