Publicidade
Notícias | Especial Coronavírus Se reinventar

Bandeira vermelha em Canoas: restaurantes se adaptam para continuar de portas abertas

Serviços de alimentação podem operar, desde que sigam normas rígidas de higienização e segurança

Por Diário de Canoas
Última atualização: 25.06.2020 às 08:23

a capacidade de adaptação destes locais e a procura por novos formatos de atendimento são testadas mais uma vez para continuarem de portas abertas ao público Foto: Derli Colomo/PMC
O decreto publicado pelo governo do Rio Grande do Sul nesta semana impõe medidas mais rígidas de prevenção ao novo coronavírus em Canoas, ao classificar a região como bandeira vermelha.

Restaurantes, lancherias e padarias, serviços essenciais à sociedade, estão autorizados a operar desde que sigam o protocolo estadual de distanciamento controlado, com vigência até a próxima segunda-feira (29). Com isso, a capacidade de adaptação destes locais e a procura por novos formatos de atendimento são testadas mais uma vez para continuarem de portas abertas ao público.

CONTEÚDO ABERTO | Leia todas as notícias sobre coronavírus

“No início da pandemia, ficamos 23 dias sem poder trabalhar porque até então não tínhamos tele-entrega. Hoje, somos obrigados a criar meios para sobreviver e pagar o básico das contas”, diz o proprietário do restaurante Tio Neco, Cesar Leandro Bauer. O tradicional restaurante do centro da cidade, que há 32 anos serve os canoenses, é um dos diversos que utilizam a Central Telefônica da Prefeitura de Canoas, por meio do telefone (51) 3425.7681, para tirar dúvidas relacionadas ao comércio. “Além dos cuidados básicos como a higienização dos produtos que chegam da rua e a limpeza do chão com água sanitária, vimos que era necessário nos adequar à redução de funcionários e à carga horária”, conta.

Para a gerente do Tudo D’Bom, Solange Mendes, por mais que a dificuldade não tenha sido a mesma, a exigência por novas formas de comercializar seus pratos se faz constante. “Como já não trabalhávamos com buffet, a adaptação aos decretos foi mais fácil do que em muitos lugares, mas estamos preocupados, tivemos que convencer o dono para baixar o aluguel e providenciamos a oferta dos pedidos através de aplicativos da internet para que as vendas aumentem”, revela.

No município, além da restrição dos serviços de alimentação somente às modalidades de tele-entrega, drive-thru e pegue e leve, os restaurantes devem seguir uma lista de boas práticas lançadas pela Secretaria Estadual da Saúde (SES), na Portaria n° 319. Dentre as regras que condicionam o funcionamento, estão o uso obrigatório de máscaras e disponibilidade de álcool gel 70% a todos os presentes; garantia de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) aos funcionários; distanciamento interpessoal mínimo de dois metros, inclusive entre as mesas; embalagem individual dos talheres; ventilação e limpeza dos ambientes. Está proibida a modalidade de autoatendimento (self-service) e o descumprimento desta e das demais determinações, flagrados pela fiscalização, podem resultar em infração de natureza sanitária, ocasionando processo administrativo ao infrator e outras penalidades.

As ações de fiscalização são resultado do trabalho integrado da Diretoria de Vigilância Sanitária, ligada à Secretaria Municipal da Saúde (SMS), do Procon Canoas e da Guarda Municipal, ligados à Secretaria Municipal de Segurança Pública e Cidadania (SMSPC), da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) e da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SMDUH). As denúncias enviadas pela população são fundamentais para que o decreto seja cumprido e, por isso, a Prefeitura orienta que liguem para os seguintes telefones: 153, 0800.5101234 e (51) 3425.7681. A vigilância sanitária pode ainda ser acionada através do e-mail vigilancia.saude@canoas.rs.gov.br.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.