Publicidade
Acompanhe:
Notícias | Especial Coronavírus Ouça a entrevista

Seduc ainda não tem data definida para retomada do ano letivo em sala de aula

Durante isolamento social, alunos fazem aulas de reforço, especialmente em Matemática e Português; previsão é de que novas matérias sejam oferecidas apenas com o retorno à sala afirmou Faisal Karam à Rádio ABC

Última atualização: 15.04.2020 às 17:15

Secretário de Educação do RS, Faisal Karam Foto: Sem crédito
Ainda sem informações consistentes a respeito de até quando vai o isolamento social, o secretário de Educação do Rio Grane do Sul, Faisal Karam, deu entrevista à Rádio ABC na manhã desta quarta-feira (15) explicando que mesmo sem aulas presenciais, os alunos da rede estadual seguem tendo acesso a conteúdos, já os professores fazem cursos de capacitação. 

No momento, os estudantes fazem a recuperação das matérias já vistas, especialmente em Português e Matemática, por meio de aulas programadas, que, segundo Karam, não são como as aulas em Ensino a Distância (EAD).

Dependendo ainda da definição dos órgãos de Saúde, a data para uma volta às salas de aula ainda é incerta. "Partimos para poder ter a efetividade do professor e não correr o risco de perder o ano letivo na sua integralidade, o que, no fundo no fundo, não está descartado até sabermos até quando vai essa questão da pandemia e termos uma garantia de retomar as atividades em sala de aula", afirma.

CONTEÚDO ABERTO | Leia todas as matérias sobre coronavírus

O secretário lembra que o Estado vinha de uma greve, iniciada ainda em novembro do ano passado, e que as aulas haviam iniciado em 19 de fevereiro. Por ora, a Seduc não antecipou as férias de inverno e aguarda a definição do Estado para planejar ações efetivas.

Karam destaca ainda que os professores não tem enviado conteúdos novos aos alunos, mas reforços e revisões de matérias já lecionadas. "O que temos que fazer é um esforço para não perdermos [o que foi foi feito até aqui] e evoluir com matérias novas a partir do retorno", afirma o secretário. "Nós temos que fazer um grande esforço para não perdermos o ano letivo e não passar o aluno somente por passar. Ali na frente vai aumentar os índices de abandono, de repetição, isso é mais grave", alerta Karam.


 
 

Atividades feitas em casa serão avaliadas

A previsão é de que o reforço feito em casa no período de isolamento seja avaliado pelos profissionais da Educação quando houver o retorno das aulas. Assim, quem precisar terá aulas no turno inverso para recuperar o conteúdo, e o restante avançará com novas matérias, segundo o secretário. Ele enfatiza que novos conteúdos serão oferecidos somente com o retorno à sala de aula.

Como os alunos recebem o conteúdo

Com parte dos alunos sem acesso a recursos como celular, computador ou mesmo a Internet, Faisal explica que os estudantes estão sendo atendidos por outros meios. Segundo ele, em áreas mais interioranas do Estado, como Alegrete e Cambará, há registro de professores levando o conteúdo a cavalo aos alunos.

Não são férias

Além dos alunos, os professores também precisam comprovar o trabalho por meio de aulas. "Não podemos deixar o aluno em casa, como se estivesse de férias. E o profesro não está de férias, ele tem que executar atividades, fazer cursos de aperfeiçoamento."

"A gente sabe que muitos não têm acesso. É raro uma família não ter celular. A chamada digital mostra isso." De acordo com Faisal, cerca de 720 mil estudantes estão realizando as atividades escolares neste período.

Ouça a entrevista na íntegra

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.