Publicidade
Notícias | Canoas Crise

Dívida trabalhista da Sogal chega a R$ 5 milhões

Rodoviários devem decidir sobre mobilização no dia 1º de setembro

Por Daniele Farias
Publicado em: 26.08.2021 às 03:00 Última atualização: 26.08.2021 às 08:22

O transporte público de Canoas pode parar na próxima semana. Os trabalhadores da Sogal aguardam apenas o pagamento do vale-alimentação e do rancho, em atraso desde julho. A dívida trabalhista da empresa pode passar de R$ 5 milhões, incluindo as rescisões de contratos de funcionários já desligados.

Trabalhadores cobram salários e benefícios atrasados Foto: PAULO PIRES/GES
Em reunião realizada ontem (25) entre representantes da companhia, Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Canoas, Secretaria Municipal de Transportes e Mobilidade e da Justiça, ficou decidido que os valores de vale-alimentação e rancho devem ser pagos até segunda (30).

Repasse adiantado

A Prefeitura irá adiantar o repasse de três parcelas de R$ 65 mil, referentes ao acordo da compra de passagens dos meses de agosto, setembro e outubro, para tentar sanar parte da dívida com os trabalhadores.

Mobilização

De acordo com o sindicato, a decisão sobre a mobilização da categoria deve ser anunciada no dia 1º de setembro. "Haverá nova reunião. Se a empresa não honrar com os pagamentos os trabalhadores já decidiram que vão se mobilizar com ou sem o apoio do sindicato", ressalta Marcelo Nunes, presidente da entidade.

Segundo Nunes, a Sogal deve aos funcionários da ativa R$ 750 mil só de salário. "Soma-se a isso mais 6 anos de atraso de depósito do FGTS e em torno de R$ 1,4 milhão de férias", informa. Na reunião de ontem, os funcionários aceitaram que a empresa ainda fique devendo um mês de rancho e uma quinzena do mês de agosto.

Rescisões

O sindicato informa ainda que no próximo dia 30 vence a terceira parcela em atraso para o pagamento das rescisões de contratos daqueles que já não trabalham mais na empresa. "São quase R$ 2 milhões em dívidas com ex-funcionários". Além disso, ainda há valores relativos ao plano de saúde dos trabalhadores, que chega a R$ 700 mil, conforme o Sindicato.

Busca de solução

Nunes destaca que o papel do grupo de intervenção da Prefeitura de Canoas junto à Sogal é fiscalizar e tentar encontrar uma solução. "Mas o caso é complicado. Precisaria de uma decisão definitiva ou um posicionamento mais firme do Município. Tem muita coisa sendo encaminhada ao Ministério Público (MP), mas não vejo uma luz no fim do túnel", lamenta Nunes.

Lucas Lacerda, secretário-adjunto de Transportes, diz que a Secretaria é parte em um acordo judicial onde o sindicato se compromete a não instaurar greve dentro de 90 dias. "Estamos em reuniões constantes com a categoria e a empresa para viabilizar condições que garantam o pagamento da folha salarial", destaca Lacerda.

Gratuidade e descontos nas passagens

O cobrador de ônibus Leonardo Pereira, 28 anos, é um dos funcionários que está com salários em atraso. Esta semana ele participou de reunião com a empresa, realizada na terça (24) e destaca que os colegas informaram, também para a Prefeitura, que pretendem realizar mobilização.

"A categoria vai parar. Estamos conseguindo segurar ainda em respeito à população canoense, que não tem a mínima culpa do que acontece, e ao acordo firmado com o prefeito Jairo Jorge", afirma o cobrador.

Ele destaca que a empresa não tem como dar conta dos pagamentos, pois há também muita gratuidade e descontos em passagens. "Pode colocar para a população saber. Estamos saturados", enfatiza Pereira.

Para o trabalhador, a empresa deveria receber subsídios do Município, mas não da forma como está acontecendo agora.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.