Publicidade
Notícias | Canoas Vacina da Covid

Chega a vez de quem tem comorbidades

Prefeitura de Canoas dá início à vacinação contra a Covid-19 de pessoas com Síndrome de Down

Por Bruna Aquino
Publicado em: 04.05.2021 às 03:00 Última atualização: 04.05.2021 às 08:16

Katia Coelho está aliviada por ver o filho vacinado Foto: PAULO PIRES/GES
Depois de imunizarem idosos e profissionais da saúde, as equipes de saúde da Prefeitura de Canoas iniciaram ontem a vacinação contra a Covid-19 das pessoas que integram o primeiro grupo das comorbidades, começando por quem tem Síndrome de Down. A primeira dose da vacina do laboratório AstraZeneca foi disponibilizada das 8h às 15h em dois locais: Apae Canoas e Instituto Pestalozzi.

Aluno do Pestalozzi e morador do bairro Estância Velha, Luan Coelho foi pela manhã à sede do instituto para garantir a primeira dose da AstraZeneca/Fiocruz. Acompanhado da mãe, o jovem de 19 anos usava uma máscara do personagem do filme "O Máskara" e parecia tranquilo diante da agulha, aplicada no braço esquerdo. "Nem doeu", disse o rapaz a um professor.

"Estávamos muito ansiosos pela vacina, ainda mais que eles são propensos a doenças respiratórias", comenta a mãe de Luan, a autônoma Katia Coelho. Com 52 anos, ela ainda não foi vacinada por não integrar a faixa etária das prioridades, mas estampava no olhar o alívio pelo filho vacinado. "Eu estava bem ansiosa. Estou muito aliviada." No dia 3 de agosto, eles saem juntos novamente para Luan receber a segunda dose da vacina e, assim, completar a imunização.

O jovem foi uma das 33 pessoas com Síndrome de Down que compareceram ao Pestalozzi até as 10h30 de ontem. Vale lembrar que somente quem tem mais de 18 anos pode tomar a vacina. Enquanto a reportagem acompanhou a movimentação no local, duas pessoas foram vacinadas. Antes de Luan, uma ex-aluna do instituto, de 32 anos, esteve na quadra coberta na companhia do pai para receber a primeira dose. A pessoa mais velha a ser vacinada ontem no Pestalozzi foi um homem de 59 anos. Quem foi ao local precisou apresentar documento de identidade e comprovante de residência.

Na linha de frente

À frente da vacinação no Pestalozzi, duas profissionais do setor de Imunização do município: a médica do serviço de vacinas Andréa Lima Leal e a chefe de unidade do setor, Bernadete Santos. Dentro da sala reservada à aplicação, o técnico em enfermagem Osvaldo Antonio de Araujo.

Questionada sobre quantas pessoas viu serem vacinadas desde o início da campanha, em janeiro, Bernadete tem uma estimativa: "Acho que já vi umas 20 mil pessoas. Eu estou na linha de frente, fui no sábado vacinar profissionais da saúde".

Primeira fase

Como não é possível vacinar todos de uma única vez devido ao número insuficiente de vacinas, a imunização das pessoas com comorbidades será feita em etapas.

Neste primeiro momento, recebem a primeira dose pessoas com Síndrome de Down, doença renal crônica em diálise, pessoas com deficiência permanente cadastradas no Programa de Prestação Continuada (BPC), de 55 a 59 anos, e gestantes e puérperas com comorbidades acima de 18 anos.

Os próximos a serem vacinados em Canoas

Dando sequência à vacinação das comorbidades, hoje as equipes aplicam a primeira dose em pessoas com doença renal crônica em terapia de substituição renal (diálise) acima de 18 anos. O grupo deve se dirigir a partir das 10h à Clínica Pró-Renal (Rua Cândido Machado, 106, Centro).

Amanhã é a vez de pessoas com deficiência permanente cadastradas no BPC de 55 a 59 anos. A vacinação ocorre no Instituto Pestalozzi, das 8h às 15h.

 

Públicodas comorbidades

As demais pessoas de 55 a 59 anos com comorbidades que residem em Canoas devem aguardar a Secretaria Municipal da Saúde divulgar como funcionará a vacinação desse grupo.

A aplicação das doses deve ocorrer nas próximas semanas e as informações sobre locais e horários serão disponibilizadas nos canais oficiais de comunicação da Prefeitura. É obrigatória a apresentação de laudo médico e comprovante de residência.

 

Instituto Pestalozzi todo adaptado e à espera das aulas

Com aulas remotas desde o ano passado em função da pandemia do coronavírus, o Instituto Pestalozzi ainda não retomou atividades presenciais, mas está todo adaptado para quando este momento finalmente chegar.

"Já nos preparamos para o retorno presencial. Adequamos todas as salas com pias, sabonete, papel toalha e álcool 70%", conta a coordenadora geral da instituição, Edna Alegro. "Sentimos o quanto estão sofrendo com esse isolamento. Então, no dia que o prefeito disser que pode retornar, estamos preparados", complementa a gestora.

As pias instaladas nas salas de aula possuem torneiras com sensor de aproximação, questão pensada exatamente para evitar o contato. Durante a visita da reportagem, Edna também mostrou que serão somente sete alunos por sala. "Diminuímos a capacidade das salas", explica. Dentro das salas, dispensers de álcool gel e frasco de álcool líquido para desinfetar superfícies. E são duas mesas por aluno: uma para as atividades e outra para os materiais.

Além das mudanças em sala, a área externa do Pestalozzi também tem novidades. Assim que as aulas voltarem ao modo presencial, vans escolares poderão acessar o pátio e deixar os alunos bem próximos da entrada das salas, onde já será feita a aferição da temperatura. Em seguida, os estudantes higienizam as mãos em pias colocadas no pátio para entrar na sala sem risco de infecção.

Aprovação

De acordo com Edna, a maioria dos pais que conferiu de perto as alterações concorda com o retorno presencial. "99% disse que pode voltar", completa.

 

Alívio pela vacinação

Local de vacinação contra a Covid-19 para pessoas com Síndrome de Down, o Instituto Pestalozzi celebrou ontem o fato de ver seis alunos da instituição receberem a primeira dose. O número parece pequeno, mas se explica no fato de que apenas maiores de 18 anos podem ser imunizados - os demais estudantes têm menor idade.

"É muito importante eles serem vacinados porque eles têm propensão a algumas doenças. Muitos têm a imunidade mais comprometida, além de comorbidades", comentou Edna.

A gestora acompanhou de perto a vacinação na quadra coberta do Instituto Pestalozzi e se mostrou aliviada. "É fundamental essa vacinação para eles. O risco para os nossos alunos é muito grande", acrescentou Edna.

 

RS recebenovo lotede vacinas

O Rio Grande do Sul recebeu na manhã de ontem mais 413.750 doses da vacina AstraZeneca/Fiocruz para avançar na vacinação das pessoas com comorbidades.

"Com as novas doses da AstraZeneca, vamos conseguir avançar bastante nas comorbidades. Nossa expectativa é vacinar todas as comorbidades ainda em maio", afirmou ontem a secretária estadual da Saúde, Arita Bergmann.

 

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.