Botão de Assistente virtual
Informe Publicitário EDUCA MAIS

Brasil tem uma professora de Inglês para cada 300 alunos, revela pesquisa

Mulheres são maioria lecionando Inglês na educação básica

Publicado em: 30.09.2021 às 10:11

No Brasil, a maioria dos professores de Língua Inglesa (80,34%), na educação básica, é do sexo feminino, enquanto 19,66% são do sexo masculino. Juntos, totalizam cerca de 172.030 professores do idioma, segundo estatísticas do Observatório para o Ensino da Língua Inglesa, pesquisa inédita disponibilizada pelo British Council.

A pesquisa ressalta que, de modo geral, os docentes não ensinam exclusivamente Inglês e trabalham com turmas de outras línguas ou de outras matérias, em diferentes escolas e etapas de ensino. A sobrecarga de trabalho chama atenção. Cada profissional leciona, em média, para cerca de 300 estudantes, segundo o Observatório.

Considerando as redes públicas e privadas, cerca de 29,42% do total de turmas de Língua Inglesa, em todas as redes, são orientados por docentes com titulação adequada (Letras: inglês ou Letras: português-inglês). Conforme a pesquisa, os estados com maiores percentuais de turmas em que os docentes têm graduação em letras, mas sem formação linguística em inglês (grupo C), são Ceará, Goiás, Pará, Pernambuco e Santa Catarina. O maior percentual nesse grupo é de São Paulo (87,09%).

Para a diretora do British Council, Thaiane Rezende, é muito importante entender o perfil, as necessidades e potencialidades dos docentes que lecionam língua inglesa no Brasil, organizando evidências empíricas, conforme entende o governo britânico, que trabalha na perspectiva de parceria respeitando os contextos e saberes de cada país. “Enxergamos as professoras e os professores como agentes de mudança capazes de provocar impacto positivo na aprendizagem de inglês nas escolas públicas brasileiras, por isso a produção de diagnósticos como este”, afirma.


Sobre a pesquisa

O Observatório para o Ensino da Língua Inglesa é uma plataforma on-line promovida pelo governo britânico e desenvolvida pelo British Council. Para chegar aos resultados foram utilizadas fontes como o Censo Escolar da Educação Básica 2020 e o Censo da Educação Superior 2019, que são os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Os pesquisadores analisaram dados de perfil como gênero, raça e idade e de formação, carga de trabalho e regime de contratação.

Para compreender o perfil de futuros profissionais também foram avaliados os dados relativos à formação inicial de docentes de língua inglesa, a partir dos micro dados do Censo da Educação Superior 2019.

A pesquisa é resultado do programa do governo britânico UK-Brazil Skills for Prosperity, conduzido no Brasil por um consórcio de quatro organizações sem fins lucrativos e liderado pela Fundação Lemann, incluindo a Associação Nova Escola, Instituto Reúna e o British Council. Com o estudo espera-se incentivar debates, compartilhamento de experiências e produção de conteúdos para o fortalecimento do ensino e aprendizagem do Inglês no Brasil.

As informações na íntegra podem ser obtidas em uma sessão interativa do Observatório, que permite ao público o acesso a dados específicos de seus estados e municípios, e aos cruzamentos de informações para conhecer as realidades locais do ensino de língua inglesa.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.