Publicidade
Cotidiano | Gente Opinião nas redes

Hamburguense nora de Bolsonaro diz que movimento antivacina é 'coisa de retardado'

Heloisa é esposa de Eduardo Bolsonaro; ela se posicionou nas redes sociais sobre a imunização da filha do casal

Publicado em: 24.11.2020 às 21:23 Última atualização: 25.11.2020 às 10:20

Hamburguense Heloisa Bolsonaro ao lado do deputado federal Eduardo Bolsonaro Foto: Reprodução/Instagram
A psicóloga hamburguense Heloisa Bolsonaro, casada com o deputado federal Eduardo Bolsonaro e, portanto, nora do presidente da República, chamou de "coisa de retardado" o movimento antivacina que vem crescendo no Brasil, ajudando a comprometer os resultados das campanhas de imunização. Apoiadores do presidente questionam a vacinação de modo geral. Desde 2016 um dos principais, o escritor Olavo de Carvalho, vem pregando que "vacinas matam ou endoidam". No ano passado a Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu o movimento antivacina na lista das ameaças globais à saúde.

Heloisa Bolsonaro tratou do assunto em sua conta no Instagram após ser provocada por uma seguidora, que questionou se a filha da psicóloga e do deputado tomaria ou não as vacinas previstas no calendário do Ministério da Saúde. "Geórgia toma e tomará todas vacinas para cada fase. Não sabia que existia um movimento antivacina, mas agora sabendo, só pode ser coisa de retardado. Depois quando o filho tiver uma doença, quero ver ele agradecer aos pais por terem poupado ele da dor do 'pic'. Pqp né?! Por essas e outras a gente vê a volta de doenças antes erradicadas", escreveu Heloisa.

Não consta que a família de Jair Bolsonaro seja contrária à ideia dos imunizantes em si. Mas a postura presidencial na guerra política em torno das vacinas que poderão deter a pandemia da Covid-19 anima os chamados "antivaxxers", público que é contra a imunização de forma geral, e não somente contra o novo coronavírus. Os antivacina se empolgaram, por exemplo, quando Jair Bolsonaro disse que "ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina". Era em resposta a uma mulher que pediu para o governo proibir uma eventual campanha contra a Covid-19.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.