Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Viver com Saúde

Ginecologista tira dúvidas sobre laqueadura de trompas

Método de esterilização pode ser revertido, afirma especialista
27/05/2019 03:00 27/05/2019 14:13

Foto por: Divulgação
Descrição da foto: Breno Acauan Filho, ginecologista e obstetra
Existem muitas dúvidas quando um casal pretende optar por um método contraceptivo como no caso da laqueadura de trompas. De acordo com o presidente da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Rio Grande do Sul, o ginecologista e obstetra Breno Acauan Filho, a laqueadura é uma operação de esterilização que, apesar de apresentar um método de reversão, é considerada definitiva. Por isso, saber as consequências de se tomar uma decisão tão significativa como esta é muito importante.

No que consiste a laqueadura de trompas?
É o ligamento ou corte das tubas uterinas, que ligam o ovário ao útero e bloqueiam a passagem tanto dos espermatozoides quanto a dos óvulos.

Quais são as exigências legais para o procedimento?
No Brasil, a laqueadura é regulada com base na Lei nº 9.263/96 de planejamento familiar, criada em 1996. Ainda que se possa optar por fazer o procedimento, a mulher precisa ter mais de 25 anos e já ter pelo menos dois filhos vivos. Se for casada, depende do "consentimento expresso de seu cônjuge" para realizar o procedimento. A laqueadura pode ser realizada também caso haja risco à vida ou à saúde da mulher, testemunhado em relatório e assinado por dois médicos.

A laqueadura interrompe a ovulação?
Não. No entanto, as tubas uterinas ficam rompidas impossibilitando que a fecundação ocorra.

Como é a cirurgia?
É uma cirurgia simples, na qual as trompas são cortadas e suas extremidades amarradas de tal forma que a passagem dos espermatozoides fica bloqueada na sua porção mais distal e a do óvulo bloqueada na porção mais proximal. Embora simples, ela implica a abertura da cavidade abdominal para ter acesso às trompas, diretamente ou por laparoscopia. São raros os casos em que ocorre a recanalização das trompas, com subsequente gravidez (entre um/dois casos a cada 500 mulheres).

Qual é a duração da cirurgia?
Em média, a operação dura entre 30 e 40 minutos. Se for realizada junto com a cesárea, exige cerca de três minutos, pois o abdome da paciente já estará aberto (dependendo do tipo de técnica adotada).

Quais são os cuidados no pré-operatório?
Os cuidados pré-operatórios são os mesmos exigidos por cirurgias convencionais: a paciente deve se submeter a exames que identificarão se ela possui alguma patologia cardiocirculatória. No dia da operação, o médico exige jejum de 8 horas.

O SUS oferece esse tipo de procedimento para a mulher que não quer ter mais filhos?
A mulher que desejar fazer a laqueadura deve buscar uma unidade de saúde manifestando sua vontade. É preciso que seja encaminhada para sessões de planejamento familiar, assista a palestras sobre o tema, preencha documentos, tenha entrevistas com enfermeiros, ginecologistas e psicólogos e aguarde 60 dias antes de ser liberada para a cirurgia, período esse que deve ser usado para reflexão.

Existe a possibilidade de reversão da laqueadura?
Para revertê-la, uma série de fatores precisam ser analisados como: faixa etária da paciente, comprimento e vitalidade dos segmentos de trompas a serem unidos, procedimento utilizado na realização da laqueadura tubária e quantidade de tecido de cicatrização na região da cirurgia. O grau de sucesso varia conforme a técnica empregada para obstruir as trompas.

Laqueadura engorda?
Não há mudança na produção hormonal da mulher com a laqueadura, portanto, não propicia o ganho de peso.

Em quanto tempo a cirurgia fará "efeito"?
A maior parte das ligações tubárias tem efeito imediato, apesar disso, pode ser recomendado o uso de outro método contraceptivo por sete dias, até que a cicatrização esteja completa. Nos casos de colocação de implante tubário, a infertilidade demora três meses para se instalar e deve ser confirmada por exames. Vale lembrar que não previne Doenças Sexualmente Transmissíveis, por isso a camisinha deve continuar sendo usada.

Diário de Canoas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3553.2020 / 51 992026770
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS