Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Caso Bernardo

Graciele inocenta Leandro Boldrini e nega ter planejado morte: 'foi um acidente'

Madrasta foi a primeira a depor nesta quinta-feira (14) no Foro de Três Passos
14/03/2019 13:54 14/03/2019 13:54

Foto por: TJ/RS
Descrição da foto: Graciele Ugulini em depoimento
Graciele Ugulini, madrasta do menino Bernardo Boldrini e acusada de dar uma injeção letal no menino, foi a primeira ré a depor nesta quinta-feira (14) no Foro de Três Passos. Como esperado, ela inocentou o marido, Leandro Boldrini, e afirmou que a morte do enteado foi acidental. Em um depoimento de quase três horas, ela chorou muito, tinha a voz fraca e optou em responder as questões da juíza Sucilene Engle, do próprio advogado de defesa, virada para o júri. 

"Não foi nada premeditado, e o Leandro não tem nada que ver com isso. Só quero o perdão dele. É injusto uma pessoa estar presa sem ter nada a ver", declarou.

Graciele começou o depoimento contando sobre seu relacionamento com Bernardo. Ela afirmou que no início, eles eram muito próximos e ela adorava a criança. Segundo a ré, tudo mudou depois que ela teve um aborto espontâneo e uma segunda gravidez, na qual nasceu a filha em que tem com Leandro. A gestação, segundo ela, foi de risco e a bebê nasceu prematura. "Nesse momento, eu abandonei a família (...) A atenção que eu dava a Bernardo não era mais como antes", disse. 

Graciele afirmou ainda que Bernardo não gostava da irmã e era muito agitado, tendo que tomar medicamentos controlados. O que, segundo ela, a deixava com medo de que ele fizesse algo contra a irmã. "O Bernardo queria atenção, mas a atenção era toda para a Maria."

Foto por: TJ/RS
Descrição da foto: Graciele Ugulini em momento de resposta à juíza Sucilene Engler

Quando questionada pela juíza sobre a ida para Frederico Westphalen no dia 2 de abril de 2014, dois dias antes do crime, Graciele disse ter ido fazer coisas particulares e que comprou Midazolam. Ela admitiu que assinou uma receita em branco do marido. Segundo ela, a medicação era para ela própria, para tomar porque não conseguia mais dormir e se sentia doente. 

Segundo Graciele, ela deu medicamentos para Bernardo para que ele não ficasse enjoado durante a viagem a Frederico Westphalen já que ele estava muito agitado. Graciele afirmou ter dado Ritalina a Bernardo e que, caso a agitação continuasse, jogou a bolsa para trás e o mandou tomar mais remédio. Ao chegar a Frederico Westphalen, ao sair do carro e ir para o veículo de Edelvânia, percebeu que o menino não reagia, não acordava, estava babando. 

Questionada sobre ter um amante em Frederico Westphalen, ela disse que sim, que tinha uma pessoa que cuidava e a ouvia nos últimos tempos.

Graciele afirmou que não foi à Polícia porque teve medo do que iriam pensar sobre ela e pediu ajuda à amiga, que queria pedir socorro. Edelvânia, segundo a ré, depois de muito insistir, cedeu e indicou o local para enterrar o menino. Foi Edelvânia, segundo Graciele, que cavou o buraco. O corpo de Bernardo foi encontrado em uma cova vertical, à beira de um riacho em Frederico Westphalen. "Eu não sou o monstro criado pela imprensa sensacionalista", afirmou.

Foto por: Reprodução/ Twitter
Descrição da foto: Graciele Ugulini e Leandro Boldrini durante sessão na quarta-feira (13)

"Admito que dissimulei", disse a madrasta ao responder a indagação da juíza sobre porque ajudou nas buscas por Bernardo. Sobre ter ido a uma festa no sábado, dia seguinte à morte de Bernardo, ela afirmou: "Tentei de todas formas agir de forma normal".

A juíza perguntou se Graciele havia falado que teria que dar fim na situação e que tinha pessoas para resolver isso, ao que a ré admitiu ter falado em "momento de raiva". O interrogatório foi encerrado às 11h21.

Leia outras notícias sobre o julgamento 



  • Graciele Ugulini em depoimento
    Foto: TJ/RS
  • Graciele Ugulini em momento de resposta à juíza Sucilene Engler
    Foto: TJ/RS
  • Graciele Ugulini será a primeira a prestar depoimento nesta quinta-feira
    Foto: Reprodução/ Twitter

Diário de Canoas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS