Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Terapias alternativas

Homeopatia: ciência da cura pelo semelhante

Método dá ênfase à origem do adoecimento para alcançar a solução
27/03/2018 14:49 27/03/2018 14:59

Divulgação/Divulgação
Cada pessoa recebe um remédio que ressoa com sua própria vibração

A homeopatia é um tipo de terapia que utiliza as mesmas substâncias que provocam os sintomas para tratar ou aliviar vários tipos de doenças. “Pode tratar qualquer desarmonia, desde que se esteja dando ênfase à origem do adoecimento”, explica a professora Eliete Fagundes, que é referência no tema no Brasil. Na entrevista abaixo, ela fala sobre a origem e os fundamentos deste tratamento.

O que é a homeopatia?

É o semelhante que se cura pelo semelhante. Esse é o princípio básico de funcionamento dessa ciência. Os remédios homeopáticos são diluídos e dinamizados, ou seja, os medicamentos não possuem a parte material da matéria-prima utilizada em sua produção. Quanto maior a dinamização, o que resta da matéria-prima é somente sua memória e a vibração eletromagnética que essa memória manifesta, com comprovação da física quântica e não pela lógica convencional epistemológica cartesiana. Com base nas peculiaridades dessas vibrações, cada pessoa receberá um remédio que ressoa com sua própria vibração. É por isso que os tratamentos não são iguais para ninguém.

Quando e como surgiu?

A lei do semelhante é uma lei universal e por isso sempre existiu. Médicos como Hipócrates (460 aC-370 aC) e Paracelsus (1493-1541) a utilizaram também em técnicas e métodos medicinais. O nome homeopatia foi criado por Samuel Hahnemann (1755-1843) para designar e delimitar seu método de produzir medicamentos, com base na lei do semelhante, tendo como prerrogativa as diluições e dinamizações – principalmente para diferenciá-lo da alopatia. A quina foi o primeiro remédio testado e ele percebeu que curava a malária e outras epidemias pela semelhança dos sintomas que o remédio apresentava com os sintomas das pessoas afetadas. Porém, essas substâncias só não eram maléficas para tratar humanos quando diluídas e dinamizadas.

Eliete Fagundes De onde são extraídas as substâncias utilizadas?

São extraídas do reino animal, vegetal e mineral, principalmente. Mas existe a possibilidade de “homeopatizar” qualquer coisa. Por exemplo, se uma pessoa está adoecida com diabetes por causa do vício em refrigerantes em geral, devido ao ácido fosfórico, esta pessoa deve ingerir este produto que, neste caso, foi a origem do seu adoecimento. A assertividade do remédio dependerá de uma boa observação dos sintomas e das características de cada pessoa. O remédio deverá cobrir o máximo de sintomas apresentados por uma pessoa, em todos os aspectos: físico, emocional e mental.

Como é feita a diluição?

A grosso modo: primeiro é feita a tintura mãe do medicamento – cada remédio tem seu processo diferenciado para produção da tintura mãe. A partir dessa tintura, iniciam-se as diluições e dinamizações, de acordo com a necessidade do caso. No processo de diluição, é usada somente uma gota do preparo da tintura mãe que, por sua vez, é diluída em álcool cereal em outro vidro e, assim, sucessivamente, a depender da escala a ser utilizada. Se formos fazer o remédio na escala centesimal hahnemanianna, por exemplo, para se produzir a dinamização CH1, coloca-se uma gota da tintura mãe em um vidro com álcool cereal e bate o vidro 100 vezes, de forma sistemática.

Há pesquisadores que contestam a eficácia desta terapia. Como a homeopatia lida com isso?

É natural que pesquisas feitas com remédios homeopáticos valendo-se dos métodos científicos cartesianos não apresentem resultados satisfatórios. A ciência convencional não anda no fluxo da lei do semelhante. São paradigmas opostos. É necessário para mensuração do funcionamento da homeopatia outros instrumentos que não os da ciência como a reconhecemos hoje. No campo da física quântica é possível comprovar todos os princípios homeopáticos, a exemplo das experiências dos cientistas Luc Montagnier e
Jacques Benveniste, ambos ridicularizados por boa parte dos cientistas tradicionalistas, porém, foram condecorados com prêmio Nobel de medicina em 2008. Lidamos com esse fato sabendo que esses pesquisadores não têm conhecimento da lei do semelhante e como ela opera. Deve-se direcionar a pesquisa levando em consideração a questão energética.

Como a homeopatia atua na prevenção de doenças?

A homeopatia atua primordialmente no campo energético da pessoa. Conseguindo equilibrar esse campo, as desarmonias que se materializariam no físico não mais aparecerão. Ela se inicia no energético. Se é barrada nessa esfera, não chega ao físico.

O método tem ligação com espiritualidade?

O método não, são técnicas medicinais. Mas levando em consideração que o todo, o Cosmos, afeta as partes e vice-versa por sincronicidade e ressonância, então não deixa também de abranger o que consideram “espiritualidade”, que nada mais é que o equilíbrio ou comunhão entre todos os seres do universo.

Encontro gratuito em Porto Alegre

A homeopatia será um dos assuntos abordados durante o 12° Encontro Holístico Brasileiro, que ocorre nos dias 13, 14 e 15 de abril na PUC/RS, em Porto Alegre. O tema central da edição deste ano será a implementação das Práticas Integrativas em Saúde pelos municípios do Rio Grande do Sul. Ao todo, participarão mais de 30 palestrantes do Brasil e do exterior. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site https://doity.com.br/ehb2018.


Diário de Canoas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS