Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Barriga lisinha

Mulheres optam cada vez mais pela abdominoplastia durante o verão

Adeptas da cirurgia plástica estética contam detalhes do procedimento
19/02/2018 11:07 19/02/2018 11:12

YouTube/Reprodução
Presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), o cirurgião plástico Níveo Steffen
O sonho de ter uma barriga lisinha pode virar realidade com a cirurgia plástica estética. Relatos de quem fez – e sente-se de bem com o espelho – não faltam. Nas redes sociais também não são poucas as postagens sobre o tema. A autoestima é a principal motivação para uma mulher decidir-se por esse tipo de cirurgia plástica.

O presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), Níveo Steffen, destaca que pacientes que corrigem esteticamente o corpo buscam o bem-estar físico e psíquico. “Elas procuram se sentir bem consigo mesmas ao se enxergarem no espelho”, salienta.

Ele diz que é normal nos consultórios as pessoas buscarem o equilíbrio para se sentirem mais felizes, mais positivas, repercutindo de forma positiva as relações no trabalho, na família, nas amizades. “Isso interfere muito na autoestima.” No entanto, é importante ficar atenta a todas as recomendações para alcançar um resultado positivo do procedimento que, cada vez mais, tem ganhado espaço em pleno verão.

Divulgação
Cirurgião plástico Vinícius Oliveira
“As pacientes aproveitam recessos do trabalho e férias acadêmicas e escolares das crianças para conciliar os cuidados pós-operatórios e não bagunçar a rotina do dia a dia”, diz o cirurgião plástico Vinícius Oliveira, que atende em Novo Hamburgo. É claro, explica, que há uma preocupação com o sol, onde a paciente precisa respeitar um período sem exposição a ele e ao calor intenso, mas os resultados serão exatamente os mesmos de quem opera em qualquer outro período do ano.

Foi o que ocorreu com a analista comercial Carla de Mello, de Campo Bom, e a decoradora Joice de Córdova Tegner, de Novo Hamburgo. As duas fizeram cirurgia em dezembro do ano passado, mês que marca o início da estação mais quente do ano. Elas afirmam que a possibilidade de realizar a operação durante as férias foi fundamental para a escolha do período.

“Eu não me sentia bem com o que via no espelho”, declara a analista comercial de 35 anos, ao explicar o motivo pelo qual decidiu pela lipoaspiração e abdominoplastia no último mês de 2017. Passados dois meses, a moradora de Campo Bom diz que se sente melhor, porque observa que a roupa lhe cai bem. “Se a pessoa não se sente bem, eu recomendo”, sublinha.

Biquíni

Também no final do ano passado, uma história semelhante passou a ser vivenciada. Joice passou pela segunda experiência de cirurgia plástica. A primeira, em maio de 2015, foi abdominoplastia e lipoaspiração, e a mais recente foi outra lipoaspiração e mastopexia sem prótese. A ideia era corrigir os sinais de gestações. Ela é mãe de Juniur, de 17 anos, Gabriel e Guilherme, de 14 e 8 anos, respectivamente.

A opção pelo verão foi por conta das férias e é mais fácil para tirar e colocar a malha pós-operatório no verão. Agora, Joice pode vestir tranquilamente os biquínis, que passaram a fazer parte de seu armário desde a primeira cirurgia. Antes, somente bermuda e camiseta eram usados na praia ou na piscina de sua casa.

Destaque

Conforme dados de 2016, os últimos disponíveis pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), a lipoaspiração é a segunda cirurgia plástica estética mais realizada no País e a abdominoplastia (dermolipectomia abdominal) fica em terceiro. O aumento da mama lidera em número de cirurgias plástica estética.

No mesmo censo, o Rio Grande do Sul é o terceiro estado onde mais ocorre cirurgia, ficando atrás de Rio de Janeiro (2º) e São Paulo (1º). Pacientes entre 19 e 50 anos representam mais de 72% das que optam pela cirurgia.

O que elas estão atentas

Arquivo pessoal/Arquivo pessoal
Carla de Mello, analista comercial, 35 anos
Carla de Mello, analista comercial, 35 anos - Evita o doce, bebe água diariamente com gotas de limão e pedaços de gengibre, pretende praticar exercícios.

Arquivo pessoal/Arquivo pessoal
Joice de Córdova Tegner, decoradora, 32 anos

Joice de Córdova Tegner, decoradora, 32 anos - Participa de grupos nas redes sociais para conferir depoimentos de quem fez cirurgia, cuida da alimentação, comendo de tudo em menor quantidade e pretende voltar à academia e a dançar.

Arquivo pessoal/Arquivo pessoal
Patricia Alves, técnica em enfermagem, 32 anos
Patricia Alves, técnica em enfermagem, 32 anos - Depois de realizar a abdominoplastia, lipo e enxerto em janeiro deste ano, ela mantém alimentação leve com muitas frutas, toma água e chás gelados, eleva pernas, usa meias de compressão por 15 dias e malha de compressão por 30 dias, toma injeções para evitar trombose e faz caminhadas leves para ir ao banheiro.

Ela decidiu pela cirurgia porque depois da gravidez da sua filha teve diástase (quando os músculos do abdômen se rompem, formando a barriga avental).

Arquivo pessoal/Arquivo pessoal
Jamile de Gregori, enfermeira, 31 anos
Jamile de Gregori, enfermeira, 31 anos - No dia 8 deste mês passou por abdominoplastia com correção de diástase abdominal e mastopexia com próteses. Como havia perdido 56 quilos de uma cirurgia bariátrica, ela buscou alternativa para retirada do excesso de pele. Seus cuidados pós-operatórios incluem repouso de 30 dias, cabeceira elevada por 24 horas, uso de malha modeladora, cuidados com curativos após o banho, movimentos com pernas e pés enquanto deitada para evitar trombose, reforçar ingestão de líquidos, uso de medicações prescritas durante sete dias. "Não vejo a hora de tomar banhos diários para tirar as malhas e ver os resultados! Meu medico fez milagre! Sou outra pessoa com autoestima lá em cima mesmo com as dificuldades de caminhar, deitar, sentar e levantar", arremata.

Arquivo pessoal/Arquivo pessoal
Juliana Mello, administradora, 28 anos

Juliana Mello, administradora, 28 anos - Em outubro de 2015 fez lipoaspiração no abdome e flancos porque tinha gordura localizada na barriga. “Sempre fui magra, porém não cuidava da alimentação”, conta, acrescentando que se sente ótima passados mais de dois anos da cirurgia. Ela mantém cuidado com alimentação e pratica exercícios no mínimo três vezes por semana.

Saiba mais

A hora da decisão
Primeiramente, procure um profissional membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP). Realize uma consulta médica e defina qual o procedimento mais adequado ao seu caso. É preciso estar socialmente organizada para o pós-operatório: repouso, medicações, restrições.

A preparação
O cirurgião irá colher uma história clínica, fazer um exame físico detalhado e avaliar os exames de imagens e laboratoriais. A paciente deverá seguir alguns passos que contribuem para o sucesso do procedimento como:

- Suspender o uso do cigarro antes da cirurgia;
- Avaliar com o médico a necessidade de interromper o uso de anticoncepcionais;
- Manter uma alimentação balanceada e rica em proteínas;
- Evitar o consumo de álcool 72 horas antes do procedimento;
- Ficar atento ao período de jejum orientado pelo cirurgião ou anestesista;
- Estar próximo ao peso ideal para sua altura;
- Avisar o cirurgião plástico sobre os medicamentos que utiliza;
- Se tiver alguma doença ou alergia, deve estar controlada e o seu médico deve estar ciente;
- Realizar todos os exames solicitados;
- Evitar o uso de aspirina (AAS, ácido acetilsalicílico), vitamina E e outros fitoterápicos anticoagulantes como Gingko Biloba e Ginseng 14 dias antes da cirurgia

Prejuízos

A parede abdominal é constituída basicamente por três elementos: a pele, o tecido subcutâneo gorduroso e os músculos abdominais. Alterações em qualquer um destes elementos, seja pelo processo natural do envelhecimento, gravidez ou perda ponderal, determinam prejuízo estético ao contorno corporal.

Abdominoplastia

A abdominoplastia visa redefinir as formas e o contorno abdominal através da retirada do excesso de pele e gordura e do reposicionamento da musculatura. Ela não deve ser considerada para tratamento da obesidade ou como substituto de dietas e exercícios físicos.

Umbigo

Uma preocupação frequente das pacientes é quanto ao umbigo. Quando indicada sua abordagem, este será preservado e apenas reposicionado, com as correções estéticas necessárias. As cicatrizes geralmente ficam localizadas na porção inferior do abdome, “escondidas” na linha dos trajes de banho.

Motivos

Frequentemente, após as gestações, o corpo apresenta algumas alterações que incomodam as mulheres. Nas mamas, pode-se constatar aumento ou diminuição do volume, geralmente associados a algum grau de flacidez e queda. No abdome, o que geralmente mais incomoda é a flacidez e o excesso de pele.

Uma mulher que nunca engravidou, mas já foi obesa, por exemplo, passa pelo mesmo processo de afastamento da musculatura que a gestante enfrenta. Se o emagrecimento foi rápido, como costuma acontecer depois da cirurgia bariátrica, a sobra de pele pode ser maior. Quando o emagrecimento é gradual, os danos da pele podem ser menores, mas ainda assim a musculatura fica bastante comprometida, assim como no pós-parto.

Lipoaspiração

É utilizado para tratamento da gordura localizada e para remodelar a silhueta, definindo as curvas do quadril e cintura. O procedimento consiste em melhorar e remodelar o contorno corporal pela remoção de gordura localizada no tecido subcutâneo. Através de minúsculos orifícios na pele, o cirurgião plástico introduz cânulas capazes de retirar a gordura, quando conectadas a um mecanismo de sucção a vácuo.

Pós-operatório

Abdominoplastia
É necessário andar ligeiramente curvado para frente nos primeiros dias em virtude da tensão estabelecida pelo reposicionamento dos tecidos. Os pacientes podem sentir dor, inchaço, equimose (manchas roxas) ou dormência temporária na pele abdominal, atenuados pelo uso da malha de compressão, drenagem linfática e analgesia adequada.

A maioria dos pacientes retorna ao trabalho em duas a três semanas. Entretanto, pode levar de quatro a oito semanas para retomar a vida normal, incluindo dirigir, academia e exercícios mais intensos. É importante notar que novas gestações e ganho ou perda substancial de peso podem comprometer o resultado. Entretanto, com dieta adequada e exercícios físicos, o resultado da abdominoplastia pode ser duradouro e manter-se por vários anos.

Lipoaspiração
Depende da extensão da cirurgia. A recuperação é gradual, com repouso no primeiro dia e com início das atividades conforme cada caso e aceitação do paciente. Inchaço e manchas roxas costumam involuir algumas semanas, sendo esse processo acelerado pela drenagem linfática a partir do 5º dia após a cirurgia.

Em 7-15 dias paciente pode voltar ao trabalho e reiniciar atividades físicas em 30 dias. O paciente deve utilizar modelador corporal por 30 dias após o procedimento. O endurecimento da pele e subcutâneo na zona abordada é normal e faz parte do processo de cicatrização, com resolução em 2 a 3 meses. Está contraindicada exposição solar nesse período.

Fonte: Vinícius Oliveira - cirurgião plástico


Diário de Canoas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS