Publicidade
Acompanhe:
Notícias | Região Saúde

HPSC e UPAs deixam de ser administradas pelo Gamp

Prefeitura de Canoas anuncia que o Instituto de Saúde e Educação Vida (Isev) fará a gestão das unidades

Por Leandro Domingos
Última atualização: 19.10.2017 às 09:48

Hospital de Pronto Socorro de Canoas recebe, por mês, R$ 4,1 milhões do governo do EstadoA Prefeitura de Canoas decidiu mudar a empresa que faz a gestão do Hospital de Pronto Socorro de Canoas (HPSC) e das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) Caçapava e Rio Branco. As instituições de saúde passarão a ser administradas pelo Instituto de Saúde e Educação Vida (Isev), seguindo a colocação garantida na licitação realizada em 2016. Conforme a administração municipal, o Grupo de Apoio à Medicina Preventiva e à Saúde Pública (Gamp) abriu mão do Lote 1 do contrato – que abrange HPS e as duas UPAs. A fase de transição até já teria iniciado.

O prefeito Luiz Carlos Busato explica que a alteração ocorreu após um acordo entre Prefeitura de Canoas e o Gamp. “Conseguimos remediar razoavelmente a situação no Hospital Universitário (HU), também gerido pelo Gamp, mas o HPS ainda deixava a desejar. Portanto, notificamos o Gamp, contratamos uma auditoria e acabamos chegando neste acordo. Quem assume agora é o segundo colocado na licitação feita pelo governo passado”, destacou.

Respondendo às críticas feitas pelo presidente do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), Paulo de Argollo Mendes, em reportagem publicada na edição do DC desta quarta-feira, o prefeito apontou diferenças na gestão da saúde em Canoas e em Guaíba, mesmo que ambas tivessem contrato com o Gamp.

“Aqui em Canoas nós recebemos de herança um contrato com regras estabelecidas pelo governo anterior. Guaíba contratou o Gamp na atual gestão, dentro das suas próprias regras e das condições financeiras do município”, disse. Em Canoas, segundo Busato, o Gamp assumiu com um passivo deixado pela entidade que administrava a saúde anteriormente, além de dois andares do HU fechados. “Além disso ainda havia um quadro caótico na cidade, com 153 mil atendimentos atrasados entre 2012 e 2016”, explica.

Saúde em dia em Canoas

Desde o início do ano, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) se manteve em estado permanente de mutirão, com apoio dos servidores, das instituições de saúde da cidade e de parceiros. Com isso, foi zerada a demanda reprimida por consultas, exames e cirurgias.

A Prefeitura também está conquistando uma situação inédita no país: há hoje 100 especialidades sem fila no SUS em Canoas. A projeção da SMS é que, até o fim do ano, não exista mais fila de espera no município. Também até o final de 2017, a Saúde fará um novo mutirão de cirurgias, que compreenderá 360 procedimentos.

Atrasos por falta de repasse do Estado

Via assessoria de comunicação, a Secretaria Municipal da Saúde informa que a falta de repasse de recursos por parte da Secretaria da Saúde do Estado é a razão para o atraso ocorrido no pagamento dos salários de profissionais da saúde na cidade. Para não causar maiores prejuízos, a Prefeitura de Canoas fez uso de recurso livre do Município para fazer o pagamento.

A Prefeitura de Canoas ressalta ainda que se solidariza com os profissionais e busca diálogo transparente para que os serviços à população sejam mantidos, e lamenta que o Estado ainda não tenha feito o repasse que era aguardado para a Saúde.

O que diz o Gamp

Em nota, o Grupo de Apoio à Medicina Preventiva e à Saúde Pública (GAMP) está repassando à Prefeitura de Canoas a gestão do Hospital de Pronto Socorro (HPSC) e das Unidades de Pronto Atendimento Caçapava e Rio Branco. Desde dezembro de 2016, o Grupo estava à frente da gestão destas unidades de saúde e enfrentava problemas no recebimento dos repasses para manter as unidades em pleno funcionamento.

A Organização destaca que já criou um grupo de trabalho para que a transição, que deve durar cerca de 40 dias, ocorra da forma mais tranquila e amigável possível, preservando os contratos em vigor e o atendimento à população. A entrega do Lote 1 pelo GAMP ocorreu em 09/10/2017.

O GAMP salienta ainda que continuará administrando o Hospital Universitário (HU) e as Unidades de Atendimento Psicossocial (CAPS) Recanto dos Girassóis, Travessia, Amanhecer e Novos Tempos, oferecendo aos canoenses e moradores de municípios vizinhos o serviço de excelência que se comprometeu a entregar e vem prestando desde o começo de sua atuação. Os investimentos em infraestrutura e novos equipamentos, além do exclusivo serviço de telemedicina e o projeto Carreta da Saúde nos bairros de Canoas seguem normalmente.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.