Jornais
FECHAR
  • Jornal NH
  • Jornal VS
  • Jornal de Gramado
  • Diário de Cachoeirinha
  • Correio de Gravataí
Grupo Sinos
Publicado em 28/08/2015 - 10h35
Última atualização em 28/08/2015 - 10h36

Mormo cancela desfile farroupilha de Nova Santa Rita

Secretaria de Agricultura decidiu suspender a atividade devido à doença que ataca cavalos

Daniele Balbinot - daniele.balbinot@gruposinos.com.br

Foto: Divulgação
Nova Santa Rita -
O dia 20 de setembro será silencioso na cidade. O tradicional desfile farroupilha foi suspenso neste ano. A decisão, tomada pela Secretaria Municipal da Agricultura e acatada pela Associação das Entidades Tradicionalistas de Nova Santa Rita (AETNSR), ocorreu em função do mormo - doença causada por bactéria, sem cura e fatal que ataca cavalos e pode ser transmitida para o ser humano.
 
Segundo o secretário de Agricultura, Ildo Maciel da Luz, o Lebrão, a dificuldade em controlar os animais que chegam para o desfile é o principal motivo para o cancelamento. O rodeio, no Parque de Eventos Olmiro Brandão, no entanto, está mantido. A programação ocorre dias 12 e 13 de setembro. “Teremos controle rígido de acesso ao parque. Mas fica mais fácil controlar”, explica Lebrão.
 
O presidente da AETNSR, José Rosales, fala que a entidade acata a decisão da Prefeitura, apesar de não concordar. “Conseguimos manter o rodeio, pois consideramos muito importante para o tradicionalismo.” Rosales garante que haverá presença de médico veterinário. Neste final de semana, a entidade faz coleta de sangue para os interessados no exame. Informações no 8571-3699.

Em Canoas
 
Já em Canoas, o desfile no 20 de setembro e o rodeio no Parque Esportivo Eduardo Gomes, nos dias 18, 19 e 20 do mesmo mês estão mantidos, de acordo com o secretário adjunto de Cultura, Eduardo Paim, e o presidente da Associação das Entidades Tradicionalistas de Canoas (AETC), Gilson Alves, o Juca. “Nenhum cavalo deverá entrar sem exames e a Guia de Transporte Animal no parque”, afirma Paim.

Em 2015, cerca de 900 animais participaram do desfile. Neste ano, Juca acredita que a adesão será bem menor. Espera, no máximo, 200 cavalos. “O exame é caro e quase ninguém está disposto a fazer”, comenta.

Publicidade