Jornais
FECHAR
  • Jornal NH
  • Jornal VS
  • Jornal de Gramado
  • Diário de Cachoeirinha
  • Correio de Gravataí
Grupo Sinos
Publicado em 04/06/2015 - 12h44
Última atualização em 04/06/2015 - 12h50

Criadores de cavalos no Vale do Paranhana em alerta devido a caso de mormo em Rolante

Equino doente foi localizado em propriedade do município no dia 2

Foto: Fernando Dias/Seapa
Rolante -
A Secretaria Estadual de Agricultura e Pecuária (Seapa) foi notificada no dia 2 de um caso de cavalo contaminado por mormo no município de Rolante. A doença infectocontagiosa afeta animais como burros, cavalos, cães e gatos e até mesmo o homem, com registros históricos de alta taxa de mortalidade. Mormo causa febre, úlceras na mucosa nasal, descarga nasal com pus e sangue, abscessos e falta de ar. O animal contaminado foi sacrificado, segundo informação em nota da Seapa.
 
A Coordenação Estadual do Programa Nacional de Sanidade de Equídeos, da Divisão de Defesa Sanitária Animal do Departamento de Defesa Agropecuária (DDA), com a meta de sanear o foco e impedir a disseminação da enfermidade, adotou medidas de defesa sanitária animal em consonância com as ações de prevenção e controle de mormo, previstas em normas do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa).
 
Na tarde de quarta feira, técnicos das secretarias da Agricultura e Pecuária nos municípios de Rolante, Santo Antônio da Patrulha, Taquara e Osório realizaram trabalho intensivo na propriedade onde foi comprovada contaminação de mormo em um equino. Além da eutanásia do animal, foi realizada a desinfecção do local. A Seapa seguirá monitorando os 38 animais da propriedade, realizando mais dois exames em 45 e 90 dias, de forma a garantir que não permaneçam animais contaminados sem detecção.
 
O mormo é uma das doenças de notificação obrigatória ao Serviço Veterinário Oficial, segundo o Ministério da Agricultura. Também vão ser realizadas visitas em propriedades vizinhas e nas que for observado que houve vínculo de movimentação de animais. A partir da incidência deste caso, os exames negativos para mormo vão ser exigidos para as atividades equestres no Estado.

Publicidade