Publicidade
Botão de Assistente virtual
Opinião Opinião

E as máscaras vão caindo...

População usa cada vez menos as máscaras e já tem vista grossa para o comprovante de vacinação. O que não cai e não dá para fazer vista grossa é o preço da gasolina

Por Guilherme Schmidt
Publicado em: 25.10.2021 às 22:59 Última atualização: 25.10.2021 às 22:59

 Cresce, cada vez mais, o número dos sem máscara, apesar de ainda estarem em vigor os decretos antiCovid-19 que exigem o seu uso, seja ao ar livre ou em locais fechados. Na festa Tô na Praça, na Scharlau, em São Leopoldo, no fim de semana, por exemplo, grande parte dos visitantes estava sem a proteção - a maioria que usava estava envolvida na evento, expondo e vendendo produtos.

Em clubes sociais, parques e praças de Novo Hamburgo e região, a mesma coisa. A maioria sem máscara e, ainda por cima, passando o chimarrão de boca em boca (parece que não aprendemos nada em quase dois anos de pandemia).

Nos jogos de futebol é visível que a maioria da torcida - aos berros - não usa máscara nas arquibancadas.

Tudo bem que a vacinação vem avançando e derrubou os números assustadores do primeiro semestre do ano, mas ainda vivemos sob alguns cuidados de transmissão do coronavírus presente nas rodas.

E aí vem a cobrança: ou o poder público fiscaliza realmente ou libera de vez. É hipocrisia discursar e não fazer nada.

E o comprovante?

Muitos restaurantes, bares e casas de eventos estão ignorando a medida de cobrar comprovante de vacinação dos clientes. Afinal, para que se incomodar, né? Pelo menos em cinemas se vê esta cobrança dos adultos.

Sem vacina e sem máscara...

A não comprovação da vacina combinada com o não uso de máscara, mostra um total (e perigoso) descaso com a Covid, que apesar dos números baixos, ainda tem média de 500 casos confirmados e 15 mortes por dia no RS, segundo números do Estado.

E a segunda dose?

E ainda por cima tem muita gente reclamando na dificuldade em conseguir a segunda dose. A comerciária Naiara Silva, 40 anos, já deveria estar com o esquema vacinal completo. mas ainda aguarda a sua vez na fila da vacina

Barrada

Mas com a falta de doses da AstraZeneca, Naiara segue só com a primeira. Só que para entrar em locais que exigem comprovante, acaba barrada. “É incrível. Não pude ir ao cinema com meu filho porque com 40 anos tem que ter duas doses. Só que devido à escassez, está difícil de conseguir a vacina.”

Olho na bomba

A partir desta terça-feira é que vale o novo reajuste de 7% no preço da gasolina e 9% no diesel. Apesar de ontem muitos postos terem já elevado seus preços de 10 a 20 centavos. Estima-se que o litro da gasolina chegue (e até passe) a casa dos R$ 6,50 aqui na região.

Os preços

Na real, alguns postos já praticavam valores na casa dos R$ 6,50. Na última pesquisa da Agência Nacional do Petróleo (ANP), no dia 21, Novo Hamburgo tinha o litro entre R$ 6,27 e R$ 6,48; São Leopoldo tinha o valor entre R$ 6,26 a R$ R$ 6,59; em Sapucaia era de R$ 6,26 a R$ 6,49; e Esteio, de R$ 6,29 a R$ 6,69 - (nesta cidade o litro vai bater perto dos 7).

Rumo aos 7

O segundo reajuste de 7% da gasolina em menos de um mês mostra que as projeções de que 2021 fechará com a gasolina acima de 7 não são pessimistas; são realistas.

Saudade

Em outubro do ano passado, a gasolina custava entre R$ 4,20 e R$ 4,40 na região. Mais de 2 reais de diferença em um ano ou seja, 100 reais de diferença em um tanque de 50 litros. Em 2020 você enchia este tanque de 50 litros com 220 reais; agora, precisa de mais de 320 reais para fazer esta mágica. 

 


O artigo publicado neste espaço é opinião pessoal e de inteira responsabilidade de seu autor. Por razões de clareza ou espaço poderão ser publicados resumidamente. Artigos podem ser enviados para opiniao@gruposinos.com.br
Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.