Publicidade
Botão de Assistente virtual
Cotidiano | ABC Pra Você | Viver com saúde PREVENÇÃO

Covid leva à descoberta de outra grave doença

Houve aumento na detecção de aneurismas da aorta, revelados nos exames para análise do pulmão que abrangem o tórax e o abdome

Publicado em: 27.10.2021 às 06:16 Última atualização: 27.10.2021 às 09:29

O aneurisma da aorta é uma doença grave que evolui sem que a pessoa perceba. É como uma "bomba" carregada dentro do peito ou da barriga que nem se desconfia. Normalmente, esse tipo de aneurisma é descoberto quando o paciente investiga outra enfermidade com exames de imagem como raio-X, ecografia, tomografia ou ressonância.

Equipe do cirurgião cardiovascular Eduardo Keller Saadi (de touca preta) em procedimento cirúrgico em Porto Alegre
Equipe do cirurgião cardiovascular Eduardo Keller Saadi (de touca preta) em procedimento cirúrgico em Porto Alegre Foto: Divulgação

Com a pandemia, os médicos afirmam que aumentou a detecção de aneurismas da aorta, isso porque são revelados nos exames para análise do pulmão que abrangem o tórax e o abdome. Quanto mais cedo o diagnóstico deste mal, mais crescem as chances de tratar e salvar vidas.

Eduardo Keller Saadi, cirurgião cardiovascular, professor de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e médico do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, destaca que descoberta do aneurisma traz a chance do tratamento. "É importante descobrir a dilatação logo no início porque pode crescer e romper. A revelação não significa uma sentença de morte. Os procedimentos disponíveis, principalmente os endovasculares, minimamente invasivos, corrigem mesmo os de grande tamanho", diz o médico.

O que é um aneurisma?

É uma dilatação permanente que acomete um determinado ponto de uma artéria, maior do que 50% do seu diâmetro normal. O aneurisma da aorta abdominal, abaixo das artérias renais, é o mais frequente. Se caracteriza por um inchaço na aorta, principal artéria do organismo que sai do coração, passa pelo o tórax e vai até à barriga.

Pode ser comparado a um balão de festa que infla contínua e silenciosamente, aumentando de tamanho e enfraquecendo essa parte da aorta. Quando pequeno e médio, não manifesta sintomas e, por isso, é perigoso. Pode estourar, se não for detectado a tempo de tratar, levando à morte.

O que pode causar um aneurisma da aorta abdominal?

A causa mais comum deste aneurisma é a degeneração da parede da artéria pela aterosclerose. Outras causas que podem ser levantadas são infecções, artrite e traumas.

Saadi lembra que o aneurisma da aorta abdominal é mais comum em homens e partir dos 65 anos. Há mais fatores de risco: tabagismo; tendência genética; pessoas com doenças do tecido conjuntivo e com alteração de enzimas na parede da aorta. Há ainda fatores associados, como histórico de outro tipo de aneurisma vascular anterior; histórico de doença arterial coronariana ou cerebrovascular; hipertensão e colesterol elevado.

"A maioria dos aneurismas da aorta abdominal é assintomática. Geralmente, o aneurisma é descoberto por acaso durante a realização de exames de imagem para investigação de outras doenças. O exame físico só detecta uma lesão grande, com uns de 4 cm de diâmetro. Nesse caso, a pessoa pode sentir dor de barriga, dor lombar e sensação pulsante no abdome, como se tivesse 'um coração na barriga', ressalta o professor Saadi.

Ele ainda conta que o objetivo do tratamento é a prevenção da ruptura. Uma vez descoberto ainda pequeno (até 4cm), o paciente deve fazer acompanhamento da evolução através de exames de imagem, controlar a pressão arterial, não fazer esforços físicos e ter um estilo de vida saudável. "Com o tratamento adequado, cerca de 98% dos pacientes ficam bem. Quando atinge 5,5 cm ou mais, é recomendado cirurgia convencional ou endovascular para impedir que cresça ou que estoure. Se ocorrer a ruptura, cerca de 50% dos pacientes que chegam ao hospital sobrevivem", explica.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.