Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
De R$1,70 para R$3,30

Passagem 94% mais cara no trem entrou em vigor neste sábado

Aumento da tarifa não tem relação direta com melhorias no serviço
03/02/2018 13:56 03/02/2018 13:57

Débora Ertel/Débora Ertel/GES-Especial
Passagem já é de R$ 3,30 no Trensurb
Entrou em vigor neste sábado (3) a nova tarifa da Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre (Trensurb). A partir de agora, usuários vão pagar 94% a mais em cada passagem. De R$ 1,70, o preço unitário quase dobra e vai para R$ 3,30, conforme anunciado pela Trensurb na última quarta-feira.

Ao contrário do que os usuários esperam, o aumento da tarifa não possui relação direta com melhorias no serviço prestado, como comunica a Trensurb. A empresa diz que o reajuste tem como propósito equilibrar as contas da empresa e diminuir a necessidade de verba do governo federal, contribuindo para diminuir o déficit público.

A previsão de repasse de apenas metade dos recursos do governo federal para o metrô em 2018 também influenciou na decisão. Autorizada pelos Ministérios das Cidades e do Planejamento, a atualização tarifária não era realizada desde janeiro de 2008. O último pedido de mudança no valor da passagem já havia sido encaminhado em maio de 2017 para a União e, na época, a solicitação da Trensurb era de que subisse 47%, para R$ 2,50, o que não se confirmou.

O aumento, inclusive, está acima da inflação nesse período de dez anos em que a passagem esteve congelada. De acordo com a Fundação de Economia e Estatística (FEE) do Rio Grande do Sul, o reajuste médio dos preços para o consumidor na região metropolitana de Porto Alegre foi de 78% no período.

Inquérito

Para investigar o reajuste, o Ministério Público Federal (MPF), por meio da Procuradoria da República em Novo Hamburgo, confirmou a abertura de um inquérito civil. A ação deve iniciar na próxima semana e vai estudar o cálculo utilizado para o acréscimo na taxa. Um protesto contra o aumento também envolveu cerca de mil usuários, segundo a organização, na última quinta-feira, na Estação Mercado, na capital.

Problemas antigos

Escadas rolantes

A Trensurb informa que possui 50 equipamentos instalados nas 22 estações do metrô, dos quais seis (dois na Estação São Leopoldo e quatro na Estação Unisinos) foram desativados por não terem conserto. os demais passam por um regime de manutenção preventiva executado por empresa contratada que garante disponibilidade média acima dos 90%. ainda assim, podem apresentar falhas eventuais como qualquer dispositivo eletromecânico usado com frequência. Em relação às escadas inativas na Unisinos e São Leopoldo, a Trensurb acrescenta que já foi contratada a substituição desses equipamentos, que deve ser concluída até julho.

Elevadores

A empresa explica que os elevadores também passam por manutenção preventiva e corretiva, que garantem a disponibilidade e a correção de falhas da forma mais breve possível.

Acessibilidade

Há projetos prontos para execução de obras de acessibilidade em diversas estações, mas dependem de disponibilidade orçamentária. “Essa disponibilidade não tem relação
direta com a tarifa, que é para custeio, mas com investimento, que tem que vir diretamente do governo federal para projetos específicos”, aponta a Trensurb.

Banheiros

como o contrato de manutenção predial das estações entre Mercado e São Leopoldo chegou ao fim e a nova contratação está na fase de trâmites internos que precedem a publicação do edital de licitação (que deve ocorrer na próxima semana), os reparos estavam sendo feitos somente com equipe própria, de forma reduzida e apenas em casos mais simples e/ou urgentes. Emergencialmente, a Trensurb firmou um aditivo ao contrato de manutenção vigente, das estações entre Rio dos Sinos e Novo Hamburgo, para a solução dos principais problemas.

Lixeiras

No momento, a Trensurb informa que está sem lixeiras para reposição. Porém, está providenciando as especificações para compra de novas, que devem ser de modelo mais resistente e cuja quantidade e distribuição pelas estações devem mudar no sentido de facilitar seu uso pelos usuários. Não há, no entanto, previsão de quando as novas ficarão à disposição.


Diário de Canoas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS