Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
O fim do esquema no Gracinha

Polícia aponta que funcionários estavam exigindo dinheiro de parentes de pacientes

Valor de até R$ 1 mil seria para agilizar exames. Pelo menos um homem foi detido
11/01/2018 15:44 11/01/2018 18:39





{$midia.ds_cremd}/{$midia.ds_midia_credi}
{$midia.ds_midia}
Carlos Ronaldo Patrício está com a mulher internada há mais de um mês na UTI do Hospital Nossa Senhora das Graças. Devido ao enfisema pulmonar, a esposa só respira com a ajuda de aparelhos. O desespero do comerciante de 60 anos diante da situação fez com que ele fosse "procurado" por pessoas que diziam que poderiam agilizar exames na casa de saúde. Tudo para que a mulher recebesse atendimento mais rápido. A quantia de mil reais seria suficiente. "Eu estava indo depositar o dinheiro quando me ligaram para dizer que isso era falcatrua de gente de dentro do hospital", conta. "Nem pensei duas vezes e fui direto na delegacia."

O caso chegou na manhã desta quinta-feira na mesa do delegado Valeriano Garcia Neto, que trabalhou com o máximo de agilidade para chegar a um suspeito. Fomos até o hospital e identificamos rapidamente um homem que, ao que tudo indica, está envolvido no esquema", revela. Segundo o titular da 4ª Delegacia de Polícia (DP), o tal "esquema" envolveria várias pessoas, sendo o detido o pivô do crime. "A suspeita é de que ele se informava sobre a gravidade do caso, tomava contato com a família, e então uma outra pessoa ligava exigindo dinheiro, em geral uma soma de R$ 1 mil para agilizar o atendimento", esclarece.

Covarde - Valeriano espera que a exposição do caso colabore para que outras vítimas procurem a DP para relatar o crime. De acordo com o delegado, o funcionário levado à delegacia foi ouvido e depois liberado. Faltaram elementos para que fosse feita a prisão em flagrante. Mesmo assim, ele pode vir a responder pelo crime de concussão, descrito no artigo 316 do Código Penal, que fala da conduta do funcionário em exigir para si ou outra pessoa uma "vantagem indevida." Caso seja indiciado e condenado, o trabalhador do Gracinha pode ficar preso por até oito anos. "Este é um crime covarde porque se aproveitam de pessoas extremamente debilitadas para faturar."

Polícia Federal será envolvida

Conforme aponta o delegado Valeriano, a Polícia Federal será envolvida na investigação nos próximos dias. "O trabalho era de serviço público, já que era feito para o SUS (Sistema Único de Saúde), então identificamos um suspeito, iniciando a investigação", frisa. "Agora vamos passar tudo para a Polícia Federal e aguardar para que o restante do inquérito revele todos os envolvidos no esquema", explica.

De acordo com o delegado, o número do telefone do responsável pelas ligações feitas a Carlos Ronaldo Patrício estava no celular do suspeito identificado no Gracinha. Só isso já é evidência suficiente de que o homem detido sabe mais do que disse na manhã desta quinta-feira na DP. "Ele não falou nada, mas acreditamos que ele e pelo menos duas outras pessoas estejam envolvidas", observa. "Só tem que ficar claro que o Hospital Nossa Senhora das Graças não está implicado, mas sim um funcionário. Só mesmo o restante da investigação vai poder dizer quem estava ciente do esquema."

Hospital Nossa Senhora das Graças esclarece:

O Hospital Nossa Senhora das Graças repudia toda e qualquer conduta que possa de algum modo lesar, trazer prejuízo ou buscar vantagem indevida de familiares fragilizados com o estado de saúde dos seus entes queridos. Infelizmente, vários hospitais têm sido vítimas de situações semelhantes que acabam por macular a imagem do hospital. O Hospital Nossa Senhora das Graças enaltece a conduta da polícia e, principalmente, a agilidade com que a questão está sendo conduzida, para uma instituição como o Graças, que diariamente luta para manter suas portas abertas, situações como a relatada são inadmissíveis. Mesmo tendo tomado conhecimento do caso através de nota publicada em jornal de circulação local, não tendo ainda recebido qualquer comunicado ou solicitação formal das autoridades envolvidas na investigação, coloca-se desde já à disposição para esclarecimentos e medidas a auxiliar na apuração do caso denunciado, assim como, compromete-se a adotar as todas as providências que se fizerem necessárias.



Diário de Canoas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS