Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Gilson Luis da Cunha

Quando o monstro é o herói

Diário de bordo de um nerd no planeta Terra (Data estelar 14012018)
13/01/2018 01:28 13/01/2018 01:29

Gilson Luis da Cunha - Blog Diário de Bordo de um nerd no planeta terra

Gilson Luis da Cunha é doutor em Genética e Biologia Molecular pela Ufrgs, Old School Nerd, fã incondicional de livros filmes, séries e quadrinhos de ficção científica, fantasia e aventura

www.wattpad.com/search/Gilson%20Luis%20da%20cunha

Reprodução
Guillermo del Toro
Eu sou mesmo um pé frio. Em 2004, O Senhor dos Anéis, O Retorno do Rei, ganhou doze Óscares, incluindo o de melhor filme. E eu não assisti a cerimônia. Pois é. Na época, pensei, “o grande ganhador deve ser algum drama independente, com alguma história urbana, bem pé no chão, sobre viciados em drogas, famílias desfeitas, alcoolismo ou coisa parecida. Afinal, sempre é algo do gênero, porque arte não é “escapismo”. Arte é “transformadora”, o que é irônico, pois, na maioria desses filmes, o protagonista começa o filme ferrado pela vida e termina igual ou pior. Então, nem liguei a TV naquele domingo. Deu no que deu: O Retorno do Rei levou quase todas as estatuetas e deixou boquiabertos críticos e fãs ao redor do mundo.

Bom, Hollywood estava sendo coerente. Premiaram o sucesso. Mais do que isso: Deram a Peter Jackson o reconhecimento pela tarefa hercúlea que foi adaptar o livro que foi, durante décadas, o mais infilmável do século 20. A Academia foi forçada a engolir um filme de entretenimento, tanto por seu sucesso comercial quanto por sua qualidade artística. Após lamentar perder o discurso de Peter Jackson, que entre outras coisas, agradeceu à academia por ter se despido de seus preconceitos contra filmes de fantasia, considerei: “Bem, isso jamais se repetirá. É como esperar que um raio caia duas vezes no mesmo lugar”.

Bem, raios caem duas vezes no mesmo lugar, só que eu não sabia. Não deu outra. No último Globo de Ouro, entre denúncias de assédio sexual e, até, de estupro, com um apresentador que não poupou nem Woody Allen (e agora, Diane Keaton? Com que cara você subirá num palco outra vez para defender Allen?), o raio caiu outra vez. Pior. O raio caiu no terreno menos provável possível: A Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood que deu a Guillermo Del Toro (foto) o Globo de Ouro 2018 de melhor diretor por A Forma da Água, drama fantástico que estreia no Brasil em fevereiro. “ Desde a infância, sou fiel aos monstros. Tenho sido salvo e redimido por eles.... Porque os monstros incorporam a possibilidade de falhar e continuar vivendo. Por 25 anos eu tenho criado esses pequenos e estranhos contos com movimento, cores e sombras. Essas histórias têm salvo a minha vida... abaixem a música pessoal. Demorei 25 anos para estar aqui”, disse ele para o pessoal, entre lágrimas, pouco antes de agradecer às atrizes do filme.

O Filme de Del Toro conta a história de Elisa (Sally Hawkins), uma zeladora em um laboratório secreto do governo onde uma criatura aquática humanoide (Doug Jones, o Abe Sapiens, de Hellboy) é mantida sob maus tratos, sob o controle de um oficial do governo (Michael Shanon, o Zod de O Homem de Aço). Muda, excluída do mundo dos falantes, Elisa desenvolve uma forte ligação com o ser e consegue ensinar a ele a linguagem dos sinais. Dessa amizade nascerá a mais improvável história de amor cinematográfica dos últimos anos. A criatura é claramente inspirada no clássico dos anos 50, O Monstro da Lagoa Negra. Só que, ao contrário da paixão não correspondida do monstro daquele antigo filme por uma aterrorizada humana, nesse filme, a criatura e a mulher se completam e o verdadeiro monstro é o humano que comanda o laboratório. Quem já assistiu, diz que o filme consegue ser aterrador e poético, de um jeito que só Del Toro sabe fazer, além de ser entretenimento de primeira. Talvez tenha sido essa qualidade poética que desarmou os membros da Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, que costumam ser bem mais esnobes que o pessoal da Academia.

Só por via das dúvidas, assistirei a festa do Oscar desse ano. Vá que eu me arrependa de não ter assistido...Vida longa e próspera e que a força esteja com vocês. Até domingo que vem.



Diário de Canoas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS