Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Peso no bolso

'Feliz' aumento novo: leite e gasolina ficam mais caros em 1º de janeiro

Longa vida pode ficar até 30 centavos mais caros a partir do ano que vem
29/12/2017 12:09 29/12/2017 12:17

Stock Xchng/Divulgação
Leite longa vida ficará mais caro em 2018
Se já não bastasse os reajustes clássicos do IPTU, IPVA e mensalidades escolares, 2018 começará mais pesada para o bolso do consumidor gaúcho. O leite de caixinha, o chamado UHT ou longa vida, e a gasolina ficarão mais caros a partir do dia 1º de janeiro. O leite poderá ter aumento de até 30 centavos no supermercado e, a gasolina terá novo valor, além daquele já orientado pela Petrobras.

No caso do leite, o aumento vem devido à nova tributação sobre o produto que até então é isento. No primeiro dia de 2018, entra em vigor um decreto do governo do Estado que determinou a elevação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) para 18%. A tributação é um pedido da indústria de laticínios que alega que a taxação do leite UHT dará condições do produto gaúcho ser mais competitivo em relação ao trazido de fora.

Para compensar o imposto, o governo irá conceder um benefício fiscal (na forma de crédito presumido de ICMS) que zera a tributação para a indústria instalada no Estado. Desta forma, os 18% irão incidir apenas sobre a margem de lucro do varejo (estima-se de 15% sobre o preço final). A Receita Estadual calcula que os 18% sobre a margem de lucro representarão um acréscimo de cinco centavos. De acordo com projeção da Associação Gaúchas de Supermercados (Agas) o litro pode sofrer um reajuste de até 30 centavos. 

Gasolina sobe mais uma vez 

O preço da gasolina comercializado nas refinarias da Petrobras sofrerá novo reajuste a partir desta sexta-feira (29). De acordo com a empresa, a gasolina sobe 1,7%. A partir de amanhã (30), haverá novo aumento, de 1,9% para a gasolina. Nesta semana, o preço do combustível nas refinarias já havia sido ajustado. Na quarta-feira (27), houve redução de 0,4% na gasolina, algo que pouca diferença irá provocar, já que em apenas dois dias, o combustível irá acumular alta de 3,6%. E para ajudar ainda mais, a partir de 1º de janeiro, o governo do Rio Grande do Sul irá aumentar o preço de pauta (também conhecido como "de referência") para cobrança do ICMS da gasolina, passando dos atuais R$ 4,2594 para R$ 4,3033. Com isso, o combustível pode subir pelo menos 1 centavo.

As variações fazem parte do modelo de reajustes frequentes praticados pela Petrobras, -em busca de convergência no curto prazo com a paridade do mercado internacional -, segundo a estatal. "Analisamos nossa participação no mercado interno e avaliamos frequentemente se haverá manutenção, redução ou aumento nos preços praticados nas refinarias. Sendo assim, os ajustes nos preços podem ser realizados a qualquer momento, inclusive diariamente", acrescenta a empresa.

Inezio Machado/GES
Petrobras adotou nova política de preços para a gasolina em 2017

Já a alíquota do ICMS sobre is combustíveis segue nos 30%, apesar do ajuste no preço de referência para cobrança do imposto. Segundo a Secretaria Estadual da Fazenda, por meio da assessoria de imprensa, o preço de pauta é revisado mensalmente.

Contudo, com tantos fatores pressionando a alta, o preço final ao consumidor, nas bombas, dependerá de cada empresa revendedora e dos próprios postos de combustíveis. O Sindicato intermunicipal do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes no Rio Grande do Sul (Sulpetro), em comunicado oficial divulgado ontem, afirma que o setor está enfrentando grande dificuldade com a política de preços de Petrobras. "O fato é que é a revenda que tem sofrido as maiores consequências, pois ficou sem referência de preços. O controle de estoque ficou bem mais complicado, isso porque o preço pago pela revenda é o do dia da entrega. O pedido do produto (combustível) em um dia pode ser um preço, quando o carregamento chegar ao destino (posto), o preço pode ser outro", defenderam. O texto completo pode ser conferido no site da entidade.

O histórico das últimas variações praticadas pela Petrobras está disponível da página da estatal.


Diário de Canoas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS