Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Só resta a esperança!

Quase seis meses de angústia na busca pelo João Oliveira, que está desaparecido

Sumiço de aposentado em junho ainda é um mistério para a família
06/12/2017 09:25 07/12/2017 13:59


Paulo Pires/GES
Ana Lúcia diz que vasculhou Canoas atrás de pistas do pai
A história é conhecida: João Oliveira, 81 anos, estava em casa enquanto o filho preparava o almoço. Era uma manhã de junho. Dia 19. De repente ele não foi mais visto. Nem pelo filho e nem por mais ninguém. Com o dezembro batendo na porta, cresceu muito a angústia da família Oliveira que já procura pelo idoso há quase seis meses. "Já buscamos ajuda no jornal, no rádio e na TV; colamos fotos dele em tudo que é lugar e fomos a cada abrigo e hospital que existe em Canoas e toda a região metropolitana, mas até agora nada", desabafa a filha Ana Lúcia Oliveira, 50 anos.

Morando a poucas quadras da casa do aposentado, na Rua 17, Setor 1, Quadra Y2, Vera Maria Oliveira conta ter batido de porta em porta na época do desaparecimento e ninguém sabe dizer absolutamente nada. "A gente tem a impressão de que ele evaporou. Virou fumaça", ironiza. "Porque ninguém sabe dizer nada sobre o pai." João Oliveira sofre de Alzheimer e costumava dizer a filha que iria "viajar por um tempo", daí a razão pelo qual ela acredita que ele possa ter pego uma carona ou mesmo um ônibus para fora da cidade. "A gente achava que era brincadeira do pai", diz.

Informações desencontradas

Divulgação
Informações desencontradas atrapalharam a solução do mistério
Por conta da repercussão dada ao caso, muita gente se sensibilizou com a história de desaparecimento. Não faltaram ligações à família sobre o provável paradeiro de João Oliveira. O problema é que as informações desencontradas mais atrapalharam do que ajudaram na solução do mistério. "A gente já foi em tudo que é lugar e na maioria por nada. Ligavam, diziam que tinham achado o pai, mas a gente chegava lá e não era ele", lamenta Ana Lúcia. "A gente entende que as pessoas querem ajudar, mas teve gente que mais atrapalhou do que ajudou", completou Vera.

Para ajudar de verdade

Informações que possam de fato ajudar a encontrar o idoso João Oliveira podem ser passadas pelos telefones: (51) 98170-9700, (51) 99696-6195, (51) 98537-0662 ou (51) 98545-1739.

Já foi notícia

Desde junho que o Diário de Canoas acompanha o drama da família Oliveira. Na primeira abordagem do jornal sobre o tema, publicada na edição do dia 28 de junho, o DC dava, além da fotografia, a descrição de como estava o pedreiro aposentado no dia em que sumiu: João trajava tênis, uma calça de abrigo cinza e uma jaqueta azul de flanela.


Diário de Canoas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS