Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Mundo

Marinheiro polonês é resgatado após sete meses à deriva no Oceano Índico

O homem de 54 anos afirmou que seu destino era a África do Sul, onde procuraria trabalho
27/12/2017 17:12 27/12/2017 17:13

AFP/AFP
Com seu gato como única companhia, homem afirma que sobreviveu comendo meia sopa chinesa por dia
Um marinheiro polonês de 54 anos foi resgatado na última segunda-feira (25) em frente à ilha francesa La Reunion depois de ter passado supostamente sete meses à deriva no Oceano Índico.  A embarcação improvisada deste marinheiro foi avistada por um veleiro que alertou os serviços de resgate. Uma investigação foi aberta para determinar as circunstâncias desse incidente.

De acordo com a Sociedade Nacional de Resgate Marítimo, o homem afirmou que estava à deriva há sete meses, tendo zarpado em maio das Ilhas Comores, no sudeste da África. Seu destino era a África do Sul, onde procuraria trabalho.

AFP/AFP
Marinheiro diz ter ficado sete meses à deriva
Sem meios para se comunicar e sem instrumentos de navegação e com provisões para apenas um mês, o homem disse ficou à deriva entre as Maldivas, Indonésia e as Ilhas Maurício antes de ser resgatado.

Com seu gato como única companhia, ele afirma que sobreviveu comendo meia sopa chinesa por dia, às vezes acompanhada de algo que pescava.

Também disse que depois de passar dez anos nos Estados Unidos, viajou para a Índia em 2014 para comprar sua embarcação. Sua intenção era navegar para a Polônia, mas seu barco perdeu o mastro e ficou à deriva até Comores.

Ele permaneceu vários meses no arquipélago de Comores, onde reparou o barco antes de se lançar novamente ao mar em maio.

Ajudado pela Associação de Gentes do Mar, afirma que não pode retornar aos Estados Unidos, já que sua autorização de residência expirou. Também não pretende voltar para a Polônia. Agora espera reparar seu barco e ficar algum tempo na Ilha La Reunion.


Diário de Canoas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS