Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Demissão em massa

Turquia ordena expurgo de mais 2,7 mil funcionários públicos

Governo de emergência alega suposto vínculo com organizações "terroristas"
24/12/2017 19:34 24/12/2017 19:34

A Turquia ordenou neste domingo (24) e demissão de mais de 2,7 mil funcionários de instituições públicas em razão de seu suposto vínculo com organizações "terroristas", numa nova onda de expurgos desde o fracassado golpe de 2016. Um total de 2.756 pessoas foram removidas de seus cargos em vários órgãos públicos, incluindo nos ministérios do Interior, das Relações Exteriores e da Defesa, de acordo com um decreto publicado no Diário Oficial. 

Após a tentativa de golpe de Estado de 15 de julho de 2016, o governo introduziu o estado de emergência, renovado cinco vezes desde então. Entre as pessoas demitidas neste domingo estão 637 militares e 105 acadêmicos. O decreto também ordena o fechamento de 17 instituições em todo o país, incluindo dois jornais e sete associações.

Um segundo decreto emitido prevê que os suspeitos de agir contra a ordem constitucional terão que comparecer perante os tribunais em uniformes unicolor, marrom ou cinza. Isso também se aplica aos acusados de tentarem derrubar o governo. Este decreto entrará em vigor em um mês e se aplicará apenas aos homens.

Além disso, o segundo decreto prevê que a agência turca responsável pelas indústrias do setor da defesa será colocada sob o controle da presidência, e não mais do ministério da Defesa. No objetivo de livrar o país da influência do clérigo islamita Fethullah Gülen, acusado pelo regime turco de orquestrar a tentativa de golpe de Estado, Erdogan lançou um vasto expurgo nos meios estatais. Gülen, exilado nos Estados Unidos, nega qualquer envolvimento no golpe. Mais de 55 mil pessoas foram presas e mais de 140 mil demitidas os suspensas desde julho de 2016.


Diário de Canoas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS