Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Fúria da natureza

Tempestade tropical já deixou mais de 200 mortos nas Filipinas

70 mil pessoas foram deslocadas ou afetadas pela Tembin
24/12/2017 09:54 24/12/2017 09:55

Messan ANNAM/ AFP
Tempestade Tembin devastou Sul das Filipinas
A tempestade tropical Tembin já causou mais de 200 mortos no sul das Filipinas, onde dezenas de milhares de pessoas foram obrigadas a deixar suas casas, anunciaram neste domingo (24) a polícia e os serviços de emergência.

O papa Francisco anunciou neste domingo que rezava pelas vítimas da catástrofe. "Que Deus misericordioso acolha as almas das vítimas e reconforte aqueles que sofrem com esta calamidade", afirmou o Papa.

De acordo com um comunicado da Federação Internacional de Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, 70 mil pessoas foram deslocadas ou afetadas pela tempestade.

"As pessoas deixaram tudo para trás", explicou em um comunicado Patrick Elliott, responsável pelas operações e programas da federação nas Filipinas.

Um novo balanço oficial de vítimas indicava neste domingo (24) mais de 200 mortos desde sexta-feira, contra os 182 reportados no sábado. Além disso, 144 pessoas continuam desaparecidas e mais de 40 mil estão em centros de evacuação.

Tembin, que atingiu o arquipélago na sexta-feira, afastava-se pelo Mar da China Meridional.

As Filipinas são atingidas anualmente por cerca de 20 tufões e tempestades, mas Mindanao, a grande ilha do sul com cerca de 20 milhões de habitantes, é geralmente poupada.

A polícia local anunciou que 135 pessoas morreram na parte norte de Mindanao, onde 72 moradores seguem desaparecidos. Na península de Zamboanga (oeste), 47 morreram e 72 estão desaparecidas.

Outras 18 pessoas morreram na província central de Lanao del Sur, onde está localizado o vilarejo montanhoso de Dalama, que quase desapareceu do mapa.

Policiais, soldados e voluntários se mobilizam para tentar encontrar os corpos sob escombros e lama neste vilarejo agrícola de 2.000 habitantes.



Diário de Canoas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS