Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Infância

Cada criança tem seu próprio ritmo de desenvolvimento

Pais devem acompanhar evoluções de perto, mas é importante ter paciência
14/11/2017 13:26 14/11/2017 13:26

PixaBay/Divulgação
Pais podem estimular a criança desde cedo, mas é preciso lembrar que cada uma tem o seu tempo de desenvolvimento


O desenvolvimento de uma criança é complexo e geralmente acompanhado por pais, avós, tios, amigos e outros adultos. Um time grande e muito presente que analisa cada etapa do desempenho motor e cognitivo do pequeno, chegando a debater sua evolução e até comparando-a com a de outras crianças. A ansiedade, porém, para que os filhos façam coisas como caminhar ou falar pode atrapalhar. “Os pais precisam ter paciência e aguardar a evolução de seus filhos”, destaca a pediatra Patrícia Petry, da Unimed Encosta da Serra. Ela observa que, conforme a criança vai crescendo, é natural que surjam comparações e que os pais se preocupem se está tudo correndo dentro do esperado para a idade, mas ressalta que cada criança tem um ritmo diferente de desenvolvimento. “Percebo diariamente que os pais ficam preocupados e ansiosos, pois muitas vezes é difícil para eles separarem o que é simplesmente uma particularidade e o que é um verdadeiro atraso no desenvolvimento”, comenta.

Patrícia explica que existem variações normais do desenvolvimento, períodos adequados, mas não uma idade exata. “A maioria dos bebês aprende a engatinhar em média aos oito meses de idade. Uns, um pouco antes; outros, depois. Há aqueles que apenas se arrastam, enquanto uns pulam essa etapa e aprendem a dar os primeiros passos sem engatinhar. Andam sem apoio normalmente entre 12 e 18 meses”, afirma. Quanto ao desenvolvimento da fala, é esperado que até um ano e seis meses, a criança já fale algumas palavras simples com significado.

A pediatra diz que é importante os pais ficarem atentos aos marcos do desenvolvimento e fazer acompanhamento pediátrico regular para solucionar suas dúvidas. Por exemplo, se perceberem que até os três anos a criança fala pouco ou quase nada, ela precisa de ajuda de um especialista.

Atraso no desenvolvimento

O termo “atraso no desenvolvimento” é usado quando uma criança não atinge alguns marcos com a idade esperada, mesmo já levando em conta as variações individuais. “O atraso pode ocorrer em uma ou mais etapas e deve ter tratamento médico sempre que detectado”, recomenda Patrícia. As principais razões para começar a falar ou caminhar mais tarde decorrem da personalidade de cada criança, oportunidade e estímulo recebido, assim como alterações físicas. “Percebe-se que crianças acima do peso demoram um pouco mais para sentar do que os magrinhos justamente por causa do peso”, aponta.

Recomendações aos adultos:

  • Estimular a criança desde cedo e lembrar que cada criança tem o seu tempo de desenvolvimento.
  • Para incentivar a criança a engatinhar, deixe-a brincar no chão sempre que possível, desde que o ambiente seja seguro. Colocar os brinquedos favoritos dela alguns metros adiante também ajuda.
  • Cantar para a criança é um dos melhores estímulos à fala. Fazer atividades e brincadeiras musicais incentiva a capacidade de ouvir e reproduzir sons e fonemas, formando, posteriormente, palavras e frases.
  • E o mais importante é realizar acompanhamento pediátrico regular para que se possa avaliar cada fase do desenvolvimento.

(Fonte: Patrícia Petry, pediatra da Unimed Encosta da Serra)


Diário de Canoas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS