Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Nutrição

Jejum intermitente não é para qualquer pessoa

Prática consiste em ficar longos períodos sem se alimentar e é muito utilizada para contribuir com o emagrecimento e queima de gordura
07/11/2017 09:00

PixaBay/Divulgação
Nem todos organismos se adaptam bem ao jejum

Jejuar é uma prática milenar, com motivações que passam pela purificação espiritual, busca por emagrecimento e autodisciplina, e que voltou a ganhar atenção através de celebridades. A atriz Deborah Secco, por exemplo, é uma das artistas que revelou ser adepta do jejum intermitente, que consiste em ficar longos períodos sem se alimentar e é muito utilizado para contribuir com o emagrecimento e queima de gordura.

Divulgação/Arquivo pessoal
Flaviane Calônego, especialista em metabolismo humano
Especialista em metabolismo humano, a nutricionista Flaviane Calônego diz que, quando orientada por um profissional capacitado, a prática pode aumentar o nível de massa magra, melhorando a composição corporal, pois eleva a produção de hormônios do crescimento (gH). “Pela rotina de trabalho bastante puxada e com a falta de tempo de realizar refeições de 3 em 3 horas, iniciei o jejum intermitente e vi que meu corpo e organismo começaram a reagir muito bem, principalmente me proporcionando mais energia, disposição, melhor digestão e função intestinal, diminuiu inchaço e reduziu aquela gordurinha indesejada de maneira mais rápida”, comenta Flaviane, que adotou o jejum intermitente há dois anos

Porém, nem todos organismos se adaptam bem ao jejum. “Em alguns casos, pode estimular a compulsão alimentar em pessoas com histórico de anorexia ou bulimia, por exemplo”, ressalta.

Observações

Arquivo pessoal/Divulgação
Adriana P. Corsetti, nutricionista do NAP
Os adeptos dessa prática costumam ficar 12, 16 ou 24 horas sem comer, em dias alternados ou em pelo menos duas vezes por semana, mas em alguns casos pode chegar a até 36 horas. A nutricionista Adriana P. Corsetti, do Núcleo de Atendimento Psicológico (NAP), de Novo Hamburgo, reforça, porém, que não é qualquer pessoa que pode seguir esse tipo de prática. O jejum intermitente não é recomendado para gestantes, crianças, idosos e diabéticos, por exemplo.

“O que alguns estudos mostram é que favorece o emagrecimento e a redução dos níveis de colesterol 'ruim' (LDL) e de algumas doenças , mas é importante salientar que a maioria desses estudos foi realizado em animais. Faltam evidências do benefício a longo prazo dessa dieta em humanos. O que se observa com frequência é irritabilidade, sonolência, fraqueza e compulsão alimentar nos períodos fora do jejum ou quando a pessoa deixa de seguir a dieta”, comenta.

Além disso, diz Adriana, também pode ocorrer deficiências nutricionais pelas grandes restrições alimentares. Por isso, é importante que seja feita sob supervisão médica ou de nutricionista. “Qualquer dieta de restrição calórica favorece o emagrecimento, não somente o jejum intermitente. O grande segredo é ter um estilo de vida saudável, com alimentação equilibrada e atividade física regular”, ressalta.

Modelos de jejum
Os principais modelos do jejum intermitente que têm base científica são:

  • O protocolo Leangains ou 16/8, com janela de alimentação de oito horas e período de jejum de dezesseis horas
  • O protocolo Eat- Stop- Eat (Coma-Pare-Coma), que envolve 24 horas ou até 36 horas de jejuns, uma ou duas vezes por semana
  • 5:2, que permite que se coma normalmente cinco dias da semana com uma alimentação saudável, enquanto restringe o consumo de calorias para 500-600 durante os outros dois dias.

Saiba mais

Para cada paciente há uma orientação médica correta das janelas de alimentação, dependendo de seu hábito alimentar, rotina e perfil genético.

Em geral, a prática de atividade física em jejum é contra-indicada pois pode causar hipoglicemia e mal-estar, mas se a pessoa estiver bem orientada, em alguns casos é possível.

O consumo de água no jejum intermitente é liberado, mas líquidos calóricos são proibidos.

Fora do jejum intermitente, a necessidade de ingestão alimentar varia de pessoa para pessoa, mas em geral se sugere que fique em torno de 3 em 3 horas, aproximadamente.


Diário de Canoas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS