Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Alerta

Hérnia: cirurgia é necessária mesmo quando não incomoda

Intervenção precoce influencia diretamente no sucesso do tratamento e na recuperação do paciente


Catânia Estúdio/Divulgação
João Couto Neto, cirurgião-geral
A ideia de que é melhor não mexer onde não está incomodando não vale para quem tem hérnia. “A solução é sempre cirúrgica. Mesmo que o paciente não tenha desconforto, a hérnia é progressiva e sempre vai aumentar de tamanho”, alerta o cirurgião-geral João Couto Neto, especialista em cirurgia minimamente invasiva e em videocirurgia. A intervenção precoce influencia diretamente no sucesso do tratamento e na recuperação do paciente. Couto explica que a hérnia é uma abertura, um ‘ponto de fraqueza’ da parede abdominal causado por um enfraquecimento ou rompimento da musculatura do abdome. “Quanto mais cedo fechar este orifício, menos dor o paciente vai sentir e evita complicações mais graves”, destaca o médico, responsável pelo CT Hérnias, no Centro Clínico Regina, em Novo Hamburgo.

O meio mais frequente de perceber uma hérnia é por protuberâncias, acompanhadas de desconforto e dor, semelhante à provocada por uma distensão muscular, quando a pessoa se levanta ou pratica alguma atividade física. Ela ocorre quando um órgão ou porção de gordura avança através de uma abertura no músculo ou tecido que o mantém no lugar. Basicamente, a cavidade abdominal é o onde se encontram os intestinos, estômago, fígado, baço, entre outros órgãos. Todos permanecem nos seus respectivos lugares por meio das aponeuroses, músculos e pele, com algumas regiões protegidas por ossos. No entanto, quando, por alguma razão, esta parede fica debilitada pode haver a formação de um orifício na parede muscular e aponeurótica da parede, sendo que os componentes existentes na cavidade abdominal tendem a deslizar para o orifício, resultando em uma protusão.

As hérnias mais comuns são no abdome, mas também podem aparecer na parte superior da coxa, umbigo e áreas próximas à virilha. A maioria não é fatal, mas também não somem espontaneamente, por isso é importante o procedimento de reparo. “Na região abdominal, pode acontecer o encarceramento, quando o intestino passa pra dentro dessa hérnia, como um estrangulamento. Só que o intestino passa e não consegue voltar, aí se torna uma emergência médica. Hérnias estranguladas costumavam representar grande parte das emergências relacionadas ao problema, mas de 10 anos para cá mudou o atendimento médico. Antes, havia profissionais que recomendavam não operar se não estivesse incomodando, mas agora se sabe que quanto mais rápido operar, melhor”, enfatiza Couto. Este tipo de complicação pode ocorrer tanto em pessoas com hérnias pequenas quanto naquelas com hérnias volumosas.

Tipos de hérnias

As hérnias podem ser de origem congênita, notadas logo após o nascimento, ou adquiridas ao longo da vida. Dentre os tipos de hérnias, as mais frequentes são as inguinais, representando cerca de 70% de todas as hérnias no mundo, de acordo com o Centro de Hérnia Britânico (BHC). Ocorre na virilha e, e, homens, podem estender-se até os testículos levando à hérnia inguinoescrotal. Já a hérnia de hiato ocorre quando parte do estômago se projeta para cima através do diafragma. Ela é mais comum em pacientes com mais de 50 anos. A hérnia umbilical pode ocorrer em crianças e bebês com menos de 6 meses de idade, quando os intestinos se projetam na parede abdominal perto de umbigo. Nestes casos, é possível notar uma protuberância no umbigo ou próximo, especialmente quando as crianças estão chorando. Uma hérnia umbilical é o único tipo que pode “desaparecer” por conta própria, normalmente no momento em que a criança atinge cerca de 1 ano de idade. Também há a hérnia incisional que pode ocorrer depois de uma cirurgia abdominal - os intestinos podem “forçar” na cicatriz da incisão ou seu entorno, onde o tecido estiver enfraquecido.

Tratamento é com cirurgia

Todas são de tratamento cirúrgico, com colocação de telas para evitar que surja outra hérnia após a cirurgia e reforço da parede abdominal. O método escolhido, de acordo com Couto, será aquele que, dentro do possível, permitir menor tempo de internação, retorno às atividades normais em poucos dias, anestesia local com sedação quando indicado, mínimo grau de desconforto, recorrência próxima de zero e eficácia com segurança. Entre as opções estão as telas tridimensionais, dispositivos que são inseridos com incisões mínimas, em regime ambulatorial e com anestesia local, possibilitando maior conforto ao paciente. A operação pode ser aberta ou por videolaparoscopia, dependendo do caso.

Causas mais comuns
As hérnias são causadas por uma combinação de fraqueza e tensão muscular. Dependendo da causa, uma hérnia pode se desenvolver rapidamente ou durante um longo período de tempo. As causas mais comuns de fraqueza muscular incluem:

  • Falha da parede abdominal, que é um defeito congênito
  • Idade
  • Tosse crônica
  • Danos causados por lesão ou cirurgia

Fatores que esticam o corpo, especialmente se os músculos são fracos, incluem:

  • Gravidez
  • Estar constipado, o que faz com que a pessoa se esforce ao ter um movimento intestinal
  • Levantamento de grandes pesos
  • Ganhar peso de repente
  • Tosse persistente ou espirros em sequência




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS