Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Contra superbactérias

Rede McDonald's diz que irá limitar uso de antibióticos em frangos

Cientistas apontam ligação entre o uso destes medicamentos em animais e a diminuição de sua eficácia na medicina humana

McDonalds/Divulgação
Medida faz parte de movimento para conter resistência a antibióticos

A rede de fast-food McDonald's anunciou que começará a limitar, em nível global, o uso de antibióticos em frangos a partir de 2018, se integrando a ações para conter a resistência a esses medicamentos, assim como o surgimento de superbactérias.

A decisão complementa o movimento iniciado pela rede no mercado norte-americano em 2016 e se aplica a drogas que também são usadas na medicina humana, chamadas de Antimicrobianos da Mais Alta Prioridade Criticamente Importante (HPCIA, na sigla em inglês) pela Organização Mundial de Saúde (OMS). "Começando em 2018, vamos implementar uma nova política de antibióticos para criação de frango nos mercados ao redor do mundo", informou a empresa em nota divulgada nesta semana.

Em 2018, os HPCIAs serão eliminados da criação de aves no Brasil, Canadá, Japão, Coreia do Sul, Estados Unidos e Europa. A exceção será para o antibiótico colistina na Europa. Essa política incluirá Austrália e Rússia até o final de 2019, quando a colistina na Europa for gradualmente eliminada. A medida deve estar totalmente implementada até janeiro de 2027, embora a rede afirme que "nosso objetivo é ter essa política adotada antes dessa data".

Por décadas, os cientistas apontam uma ligação entre o uso de antibióticos em animais e a diminuição da eficácia dessas drogas na medicina humana. De acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, os CDCs, pelo menos dois milhões de pessoas são infectadas no país com bactérias resistentes a antibióticos todos os anos, levando a cerca de 23 mil óbitos. Estimativas apontam que, em algumas décadas, as superbactérias serão mais letais do que câncer.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS