Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Comunidade

Adotado quando bebê, Ismael procura por irmão gêmeo

Balconista de 34 anos descobriu há quase um mês que teria um irmão

Diego da Rosa/GES
Balconista de 34 anos descobriu há quase um mês que teria um irmão
Há quase um mês a vida do balconista Ismael Correa de Souza sofreu uma reviravolta. Durante uma consulta com um especialista médico com o qual ele faz tratamento há 10 anos a leitura de um dos prontuários revelou um segredo guardado por mais de três décadas. Souza, de 34 anos, é filho adotivo e teria um irmão gêmeo. “Meus pais não quiseram me contar por medo, já que sempre tive depressão. Eles achavam que saber da verdade poderia ser prejudicial para mim”, explica. No entanto, a notícia acabou motivando o rapaz. “No começo foi um choque. Agora o que mais quero é encontrar o meu irmão. Sempre fui muito sozinho e sonhei com isso. Tenho o direito de conhecê-lo, saber como ele está”.

A descoberta sobre o passado se deu em 14 de julho. De lá para cá Souza conseguiu poucas informações que o levem ao paradeiro do suposto irmão. “Sei que nascemos em Santo Antônio da Patrulha, mas no hospital de lá só consegui registros a partir de 2009”, lamenta. Depois do nascimento Souza teria sido deixado com um casal de idosos, em São Leopoldo. Com ele havia um bilhete escrito pela mãe, falando sobre a existência do gêmeo, que teria sido adotado por um casal de Campo Bom.

“Meus pais me contaram que fui adotado aos oito meses e estava em uma situação crítica, desnutrido. Na época havia informações de que minha mãe biológica morava no bairro Arroio da Manteiga", afirma. Souza, que nasceu em 26 de abril de 1983 diz ter sido registrado pela família adotiva em 1995. Ele conta que apesar de ter desconfiado na adolescência jamais teve coragem de perguntar sobre o passado aos pais. “Achava estranho o fato de eu ter sido batizado com seis anos, mas nunca falei nada para meus pais. Descobrir a verdade não muda nada no sentimento que tenho por eles. Não tenho interesse em saber nada dos meus pais biológicos, apenas preciso de notícias do meu irmão, saber se ele está vivo, se está bem”, diz. Souza, que trabalha em uma ferragem no bairro Santos Dumont, em São Leopoldo, mora atualmente em Portão com a esposa e dois enteados. Se alguém souber do paradeiro do gêmeo, pode entrar em contato com Souza pelos telefones 3590-1091, 98126-0291 ou 99932-9384.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS