Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Caos

Ataque a base militar na Venezuela deixa dois mortos e oito detidos

Homem se declarou "em rebeldia" ao governo de Maduro

Ronaldo Schemidt/AFP
Ataque a base militar deixou dois mortos e oito feridos
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou que o ataque lançado por cerca de vinte homens contra a base militar de Valencia (norte) deixou neste domingo dois mortos e oito detidos, um dos quais está ferido. "Dois foram abatidos pelo fogo leal à pátria, um está ferido", declarou Maduro. "Destes 10 atacantes que ficaram nas instalações de Paramacay, nove são civis e um é um tenente desertor há meses, que tinha dado baixa (foi reformado)", afirmou o presidente em seu programa dominical de TV.

Segundo o presidente, o militar desertor "está colaborando ativamente com informação" e também foram obtidos "os testemunhos dos sete civis". Maduro informou que "uns 20 mercenários" entraram às 3h50 locais (4h50 de Brasília), "surpreenderam a vigilância e se dirigiram diretamente aos parques de armas". Após a voz de alerta, "em questão de minutos" os soldados e oficiais reagiram e responderam com fogo em um combate que durou até as oito da manhã e "fizeram os atacantes fugir". Ainda segundo o presidente, os mesmos continuavam sendo procurados.

O incidente foi divulgado depois da difusão nas redes sociais e em vários veículos de comunicação de um vídeo gravado supostamente na 41ª brigada, em que um homem que se apresenta como um capitão, se declara em "rebeldia" contra Maduro e exige um "governo de transição".

Em Valencia (180 km a oeste de Caracas), a situação era tensa. Helicópteros sobrevoavam os arredores da base e militares patrulhavam a área com tanques e armas longas. Após o ocorrido, dezenas de pessoas ergueram barricadas nas proximidades de Valencia, onde depositaram troncos de árvores e queimaram lixo, enfrentando-se com militares da Guarda Nacional que os dispersaram com bombas de gás lacrimogêneo e projéteis de chumbo.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS