Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Nutrição

Por que essa vontade de um docinho depois do almoço?

Açúcar não é vilão quando consumido em quantidades módicas

PixaBay/Divulgação
Glicose dá sensação de prazer e felicidade e funciona como uma defesa contra o estresse

No meio do expediente ou entre as refeições é comum sentir aquela vontade de consumir um docinho, seja uma bala, chocolate, doce de leite ou uma trufa. A nutricionista Ana Paula Gonçalves da Silva explica que é normal sentir vontade de comer doces depois do almoço porque os alimentos mais pesados demoram a ser processados. “Também existe outra explicação para essa necessidade. Assim que terminamos uma refeição pesada, rica em carboidratos, muitos de nós temos o que chamamos de hipoglicemia reativa, um estado de baixa de açúcar no sangue, consequência de uma liberação excessiva de insulina. Quando isso acontece o cérebro aciona a necessidade de glicose na corrente sanguínea e vem o desejo do famoso docinho” explica a nutricionista.

Ana Paula ressalta que a glicose é muito importante para o bom funcionamento do cérebro. “Os doces quando consumidos em quantidades módicas não são vilões. O açúcar também é chamado de alimento dos neurônios e por isso quando alguém precisa de energia, o corpo 'pede' açúcar, pois é o principal alimento do cérebro”, diz. Além disso, a glicose dá uma sensação de prazer e felicidade e funciona como uma defesa contra o estresse. “Isso ocorre porque ela mexe com neurotransmissores, como a dopamina e a serotonina, ligados a esses sentimentos”, completa a profissional.

Como saciar a vontade de doce sem abrir mão da saúde

Alimentos estratégicos: “Alguns alimentos como: aveia, banana, maçã, canela, castanha-do-pará e grãos em geral ajudam a diminuir a vontade de comer doces. O consumo regular contribui para a redução da vontade de comer doces”.

Vá devagar: “Se a pessoa tem o hábito de consumir diariamente doces, o ideal é ir diminuindo aos poucos esse consumo, pois se parar totalmente pode ocorrer o efeito rebote, ou seja, pode até conseguir manter a ausência dos doces por alguns dias, porém, logo não aguentará mais e vai passar a comer mais doces do que já comia”.

Faça substituições no cardápio: “Ao invés de optar por sobremesas preparadas com muito açúcar ou biscoitos industrializados, podemos consumir frutas frescas ou secas após o almoço. Experimente uvas passas e tâmaras, pois elas possuem um sabor mais adocicado”.

Não resistiu? Substitua! “Por exemplo, quando a vontade de tomar sorvete for grande, opte pelo picolé de frutas, pois os teores de açúcar e gordura são menores quando comparados com as versões cremosas. Gelatinas e pudins light também podem ser opções interessantes e nutritivas”.

Teste outras opções para adoçar: “Quando preparamos uma sobremesa ou um bolo podemos trocar o açúcar refinado por uma quantidade reduzida da versão mascavo, melado de cana ou mel. Também pode-se usar frutas frescas ou secas para enriquecer o sabor”.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS