Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Litoral norte

Quadrilha usava adolescente como isca para roubar cargas de carne

Polícia Civil prendeu quadrilha e apreendeu 27 toneladas de carne roubada

Polícia Civil/Divulgação
Polícia Civil encontrou 27 toneladas de carne roubada
Policiais civis prenderam em flagrante sete pessoas e apreenderam três menores de idade ao descobrir uma carga de 27 toneladas de carne roubada, avaliada em 1 milhão de reais, no litoral norte do Estado.

A operação do Denarc começou com a abordagem a um caminhão suspeito de estar trazendo drogas de Santa Catarina para o Rio Grande do Sul. O que os policiais descobriram foi um esquema envolvendo dez pessoas, sendo três menores de idade, que usava uma adolescente de 16 anos como isca para atrair e roubar caminhoneiros.

O veículo foi monitorado desde a divida dos dois Estados até Tramandaí, onde foi abordado.

O contrabando da carne roubada envolvia um frigorífico em Oasis, dois açougues/supermercados em Imbé e Tramandai e uma pousada também em Tramandaí. Tudo era controlado, segundo a Polícia, por um empresário gaúcho, que aliciou quatro homens catarinenses (sendo um menor de idade), três gaúchos de Uruguaiana (um dos quais menor de idade), uma jovem de 16 anos e o pai dela para realizar as ações.

O empresário pagaria a cada um dos catarinenses 3 mil reais para baldear uma carga roubada (apenas um deles tinha antecedentes por tráfico de drogas). Para a ação do roubo, trouxe os jovens de Uruguaiana, sem antecedentes policiais.

Segundo a investigação, a jovem de 16 anos servia de isca para parar os caminhões, que então eram assaltados. "A jovem, natural de Tramandaí, servia de isca para o caminhoneiro, pedindo carona na estrada. Momento que a quadrilha atacava o motorista", explicou o delegado Guilherme Calderipe, que coordenou a ação.

A quadrilha procurava obter somente cargas com preço elevado, que depois eram colocadas no frigorífico para ter aparência legal e, assim, ir para o varejo nos dois açougues do empresário. Na sequência, parte da carga poderia ser distribuída na capital, já com aparência de legalidade.

A rota legal da carne seria de Mato Grosso até o Rio Grande do Sul no município de Nova Santa Rita.

Para fazer denúncias:

Fone: 0800-518-518

WhatsApp: (51) 9 8418-7814

www.pc.rs.gov.br


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS