Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Entraria em vigor hoje

Juiz bloqueia novo decreto migratório, mas Trump promete batalha

Medida fechava as fronteiras aos refugiados por 120 dias e congelava a entrega de vistos a cidadãos de Irã, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen por 90 dias

Nicholas Kamm/AFP
Novo decreto de Trump entrava em vigor no primeiro minuto desta quinta-feira
Juízes federais suspenderam o novo decreto de Donald Trump que fecha as fronteiras dos Estados Unidos às pessoas provenientes de seis países majoritariamente muçulmanos, e o presidente prometeu uma batalha judicial. O juiz do Havaí Derrick Watson declarou na quarta-feira (15) que o bloqueio do decreto evitará "danos irreparáveis" e descartou que uma apelação de emergência possa reverter esta decisão.

"Esta decisão nos faz parecer fracos, o que não somos", reagiu Trump em Nashville, Tennessee. "Vamos apelar contra esta decisão terrível, vamos levar este caso aonde for preciso, incluindo todo o caminho até a Suprema Corte, e vamos vencer".

O novo decreto entrava em vigor no primeiro minuto desta quinta-feira. Fechava as fronteiras aos refugiados por 120 dias e congelava a entrega de vistos a cidadãos de Irã, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen por 90 dias. O Iraque, que havia sido incluído na lista do primeiro decreto, foi retirado da versão revisada.

Trump havia afirmado que a nova ordem migratória corrigia aspectos pouco claros da primeira versão e que, portanto, acreditava que seria praticamente impossível que um tribunal o suspendesse. De acordo com a mecânica judicial americana, um juiz federal pode suspender parcial ou completamente a aplicação de um decreto, em uma decisão que tem alcance nacional.

A corte federal em Seattle de James Robart, que bloqueou o decreto original e foi taxado por Trump de "pseudo-juiz" no Twitter, concedeu mais tarde aos estados de Washington e Oregon uma suspensão temporária de 14 dias ao decreto.

Na manhã desta quinta-feira, o juiz de Maryland Theodore Chuang também acolheu um pedido de grupos ativistas que pediam o bloqueio do decreto por considerá-lo discriminatório contra os muçulmanos. As decisões destes juízes só podem ser apeladas agora em instâncias superiores.

O primeiro decreto foi assinado por Trump no dia 27 de janeiro, apenas uma semana depois de sua posse, mas foi bloqueado por Robart em uma decisão que posteriormente foi ratificada por uma corte de apelações. Aquela primeira ordem executiva gerou uma confusão monumental nos aeroportos de todo o país e levou milhares de pessoas às ruas para protestar.

"Acredito que temos que voltar primeiro (ao primeiro decreto) e ir com tudo, que é o que queria fazer no primeiro. O perigo é claro, a lei é clara, a necessidade de minha ordem executiva é clara", indicou Trump, que anunciou igualmente que "centenas de refugiados estão sob investigação federal por motivos relacionados a terrorismo".

O governo explicou que a decisão de restringir o acesso de certos estrangeiros se apoia nas atribuições presidenciais e reiterou que não se trata de um bloqueio com motivação religiosa. A lei de fato proíbe a segregação por questões religiosas. Mas Watson escreveu em sua decisão que a "ilógica" do argumento era "palpável".

E indicou que não estaria errado "concluir que colocar estes países na mira é o mesmo que colocar o Islã na mira", já que sua população muçulmana ultrapassa 90%. O procurador-geral de Nova York, Eric T. Schneiderman, classificou a decisão de Watson como "uma nova vitória para a Constituição e o estado de direito". A União Americana de Liberdades Civis (ACLU) celebrou, por sua vez, que "a Constituição tenha colocado mais uma vez o freio na vergonhosa e discriminatória proibição" migratória.

Desde os atentados em Nova York e Washington, em setembro de 2001, todos os ataques graves nos Estados Unidos foram cometidos por americanos ou pessoas de países que não fazem parte dos seis incluídos no decreto presidencial.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS