Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Frota da Sogal

Prefeitura cobra ônibus mais novos da Sogal

Prazo de dez anos para renovação da frota expirou ano passado


Até a próxima semana a Sogal deve ser notificada pela Prefeitura a respeito da renovação da frota de ônibus em Canoas. O prazo de dez anos venceu no ano passado e a administração municipal cobra que ao menos 50% sejam trocados por mais novos de forma imediata. A Sogal possui 125 veículos em operação hoje. De acordo com o secretário de Transportes e Mobilidade, Ademir Zanetti, a empresa deverá apresentar um plano de substituição dos veículos com vistas a proporcionar mais conforto e segurança aos passageiros.

“Ar-condicionado, ampliação dos carros adaptados, mudança no posicionamento das catracas são algumas das recomendações”, aponta. “Queremos que a Sogal assuma os custos das vistorias a cada 45 dias, contratando uma empresa especializada.” Parte da frota foi adquirida zero quilômetro, mas alguns coletivos foram comprados com dois ou três anos de uso. “Itens de segurança, pneus, funcionalidade mecânica, limpeza, todas são questões que fiscalizamos.”

Em novembro de 2018, vence o contrato entre Sogal e Prefeitura. “O sistema já funciona melhor que em épocas passadas, mas queremos o contrato cada vez mais efetivo”, destaca os secretário. Sobre o descumprimento de prazos da renovação pela Sogal, Zanetti aponta o impasse sobre o aeromóvel. “Gerou uma insegurança na empresa a possibilidade de migração de passageiros para um novo sistema.”

O preço deve subir ainda neste ano

O último aumento da passagem de ônibus em Canoas ocorreu em 3 de abril, prazo legal para o reajuste. O preço deve subir em 2017. “Nossa planilha só levará em conta as informações financeiras até o próximo mês de abril”, garante o secretário de Transporte. “O dissídio dos funcionários de ônibus está em negociação, deve ser antecipado, teremos noção real deste custo.” 

Um dos projetos para este ano é dar transparência ao cálculo do preço da passagem. “Quem custeia 100% da tarifa é o usuário, queremos demonstrar o que representa as gratuidade indevidas.” Uma melhoria prevista para o passageiro nos próximos meses é a ampliação de corredores de ônibus em vias troncais, similar ao que ocorreu na Avenida Victor Barreto. “Temos que oferecer qualidade, com tarifa justa e tempo de percurso otimizados”, defende. “No horário de pico, o usuário precisa levar menos tempo de viagem.”

O que diz a Sogal

De acordo com o superintendente da Sogal, Marlon Casagrande, o impasse relativo à renovação da frota tem mesmo relação com a possibilidade de implantação do aeromóvel. “O novo sistema não afetaria só o fluxo de passageiros de linhas municipais, mas das intermunicipais”, destaca. “A redução do movimento resultaria em desequilíbrio financeiro, especialmente se tivermos assumido financiamento a longo prazo de nova frota.” Segundo ele, em torno de 46 dos 125 coletivos estão em desconformidade com os dez anos exigidos. “Falamos de algo como dois a três anos apenas fora do prazo, não mais antigos”, aponta. “Todos passam por manutenção rigorosa, feita pela empresa e por oficina credenciada ao Inmetro, temos laudo de trafegabilidade, a Prefeitura faz vistoria.”

Casagrande salienta que um plano de renovação dos ônibus será apresentada à administração municipal, mas o novo valor de tarifa (previsto para abril) terá impacto direto. “Em 2016, a passagem subiu para R$ 3,30 em abril, mas tivemos que assinar dissídio em 11 de junho com percentual de 11%”, explica. “Foi um salário novo baseado em uma planilha defasada de 2015.” Segundo ele, para contemplar os custos de operação, a passagem deveria ter sido reajustada para R$ 3,50 no ano passado, um acréscimo de R$ 2,4 milhões em caixa, o que poderia ter contribuído para a renovação da frota. “Em 2017, a empresa não conseguirá absorver o mesmo percentual de dissídio como no ano passado”, afirma. “Todos os custos do transporte têm que estar contemplados na tarifa.”


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS