Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Hospital da Ulbra

Nas férias, veterinários da Ulbra atendem em horário diferenciado

Unidade estará fechada de 13 de janeiro a 20 de fevereiro
PAULO PIRES/GES
Cães (como Zóia), gatos e até cavalos são tratados no Hospital Veterinário desde 1998
Em período de recesso acadêmico, o Hospital Veterinário da Ulbra abre em horário diferenciado até o dia 12 de janeiro. O atendimento externo é das 8 às 19 horas, de segunda a sexta-feira, e das 8 às 17 horas, aos finais de semana. Depois, a unidade fecha em 13 de janeiro e reabre em 20 de fevereiro.
Para atendimentos populares são cobrados valores entre R$ 25,00 e R$ 60,00. Uma consulta normal sai por R$ 90,00. Se necessário, ocorrem internações. A unidade para animais é a única no RS com setor de imagem e tomografia, o que facilita o diagnóstico de alteração tumorais. O telefone de contato é o 3477-9284. Há animais no local esperando por sua adoção.
Além de cães são atendidos gatos e até equinos desde 1998. São realizadas de seis a oito cirurgias ao dia. “São traumas decorrentes de atropelamentos, castração e retirada de tumores”, destaca o diretor. São cerca de 20 atendimentos clínicos diários. “Doenças infecto-contagiosas, cinomose e paraviroses são alguns dos casos.” Quinze professores atuam no local, além de 21 residentes.
Laço de amizade
Zóia é um grude. Está sempre por perto da equipe de veterinários. Há um laço de amizade e um sentimento de gratidão, para quem acredita em sentimento de bicho. A cadelinha “baia” que hoje circula livre pelo Campus da Ulbra junto de outros cuscos, chegou de maneira traumática em setembro do ano passado. “Foi atropelada e resgatada para cá por um funcionário”, recorda o professor Paulo Ricardo Aguiar, diretor do Hospital Veterinário da universidade. Zóia fez um tratamento intensivo, mas está cega e já tem seis anos – o equivalente a uma cinquentona, se fosse humana. “Ela acompanha a gente pelos corredores pois se guia pelas vozes de quem ela conhece.”

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS