Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Henrique Schneider

O mais triste

"Eles discutem como se estivessem sozinhos, nada mais lhes importa"
Henrique SchneiderHenrique Schneider é escritor
adv.henrique@uol.com.br
O casal brigando no restaurante, um atirando sobre os ombros do outro os pesos dos seus próprios insucessos, de suas angústias, mágoas. Isso é triste.
Mas não é o mais triste.
Eles discutem como se estivessem sozinhos, nada mais lhes importa – muito menos os outros clientes do restaurante, que escutam as pequenas barbaridades que eles mutuamente se jogam, farpas e dardos meio sem destino. Isso é triste.
Mas não é o mais triste.
Quando o homem começa a falar mais alto, gritando de propósito para reafirmar-se como macho, quando ele bate na mesa com o punho cerrado e a mulher se assusta e pede a ele que se acalme, que não grite – isso é triste.
Mas não é o mais triste.
E quando se percebe que, aos gritos do homem, os demais clientes olham para outros lados, fingem que não escutam, ou comentam entre si que em briga de marido e mulher ninguém mete a colher – isso também é triste.
Mas não é o mais triste.
Há uma criança sentada junto a eles, menina de seis ou sete anos, daquelas loirinhas cacheadas que fariam sucesso em comerciais noruegueses de xampu infantil, e que come silenciosamente a comida que está em seu prato. Isso é triste, muito triste.
Mas não é o mais triste.
O casal – eles certamente são os pais da loirinha cacheada – está tão imerso na briga, ambos tão fortemente atados à necessidade de vencer, que nenhum deles presta atenção ou mede as palavras por causa da filha. Isso é imensamente triste.
Mas não é o mais triste.
É que se alguém olhar um pouco mais de perto, perceberá a lágrima parada nos olhos da menina, a força muda que ela faz para que esta lágrima não caia e não desabem sobre elas as responsabilidades que não tem e que sequer sabe como pensar, que pai e mãe se atirem mutuamente a culpa sobre aquele choro e a briga seja ainda maior. A menina chora sem chorar.
E isso é o mais triste.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS