Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Henrique Schneider

Os olhos azuis, azuis

''O filho também permaneceu em silêncio, saboreando o silêncio emocionado do pai.''
Henrique Schneider MENORwww.henriqueschneider.com
adv.henrique@uol.com.br
O velho abriu os olhos apenas quando o filho pediu e então ficou em silêncio por quase um minuto, mirando vagarosamente de um lado ao outro, como se quisesse aproveitar bem o que via – os olhos azuis, azuis.

“E então?” – perguntou o filho, emocionado, enquanto colocava a mão sobre o ombro do pai, carinho tímido e desacostumado.

“É maior do que eu pensava. Muito maior” – respondeu o pai, em emoção igual. E, quase com surpresa, colocou a mão sobre a mão que repousava em seu ombro, piscando sem perceber os seus olhos azuis, azuis.

“Te falei que era. Valeu a viagem?” – o filho sorriu, nozinho teimoso na garganta.

“Ah, se valeu!...” E o velho não disse mais nada por um tempo, apenas respirando aquele ar novo e desconhecido e olhando o longe, até onde nem conseguia mais olhar, os olhos azuis, azuis.

O filho também permaneceu em silêncio, saboreando o silêncio emocionado do pai. Olhavam ambos para frente, juntos, sem precisar dizer, ambos sentindo a companhia forte do outro e de tudo aquilo que agora os rodeava.

Até que o filho rompeu a mutez:

“Vamos dar uma caminhada?”

“Espera um pouco.” – pediu o pai. – “Só mais um pouquinho.” – e seguiu mirando como se nada mais houvesse, os olhos azuis, azuis.

O filho decidiu esperar o tempo que o pai quisesse. Tantas horas de viagem, o velho aguentando o cansaço em seu corpo de oitenta anos apenas para aquilo, que a emoção não poderia ser breve.

Ficaram assim bem uns cinco minutos, sem dizer palavra.

Até que o pai finalmente se voltou para o filho e disse que agora poderiam caminhar.

E foi nesta hora que o filho se surpreendeu, ao perceber que os olhos do pai, a vida inteira tão castanhos, haviam ficado azuis, azuis, nesta primeira vez que ele via o mar.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS