Compartilhar...

VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

PUBLICIDADE
Retração

PIB gaúcho cai 4,3% no primeiro trimestre puxado pela agricultura

Dados da FEE indicam que agropecuária no Estado sofreu recuo de 8,1% no período
Foto: Claudio Fachel/Palácio Piratini
Neste trimestre, agricultura puxou para baixo o PIB do Rio Grande do Sul
O Produto Interno Bruto (PIB) do Rio Grande do Sul no primeiro trimestre de 2016 teve uma redução de 4,3%, em comparação com o último trimestre do ano passado. Essa queda foi menor que a verificada pela economia nacional no mesmo período (-5,4%). As informações foram divulgadas nesta terça-feira (14) pela Fundação de Economia e Estatística (FEE).
De acordo com a FEE, entre as grandes atividades, a agropecuária gaúcha foi a única que teve redução mais acentuada que a do País (-8,1% no RS e -3,7% no Brasil). A indústria no Rio Grande do Sul caiu 6,3%, enquanto a do Brasil, 7,3%. Já os serviços gaúchos reduziram-se em 2,5%, e no País, decresceram 3,7%.
Em nota, a Farsul informou que o Índice de Inflação dos Custos de Produção (IICP), indicador que mede os preços pagos pelo produtor rural pelos insumos agropecuários, teve recuo de 0,60% em maio. É a quarta queda consecutiva do indicador, que já acumula deflação de -1,34% em 2016.
O Valor Adicionado Bruto (VAB) do Estado, que calcula o total que todas as atividades econômicas em seus processos produtivos agregam ao PIB, teve redução de 4,2%, e os impostos líquidos caíram 4,9%. No Brasil, o VAB caiu 4,6% e os impostos líquidos diminuíram 10,4%.
Fundação de Economia e Estatística divulgou dados referentes ao primeiro trimestre de 2016
Conforme a FEE, a causa da condição ruim da agropecuária neste trimestre, e que ajudou na queda do PIB de maneira geral, são as condições climáticas desfavoráveis. Culturas como o arroz foram prejudicadas com o excesso de chuvas tanto no plantio como na colheita. A produção do grão, de acordo com o órgão estadual, recuou 5,4% neste primeiro trimestre de 2016.
Em relação ao comércio, houve queda total de 8,4% no período. O recuo é menor do que nos últimos três meses de 2015 (-12,9%). O destaque negativo ocorreu na comercialização de veículos, motocicletas, partes e peças, que caíram 28,1%. Conforme a FEE, apenas um setor registrou melhora neste segmento, a de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (aumento de 7,9% sobre o último trimestre do ano passado).
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS