Jornais
FECHAR
  • Jornal NH
  • Jornal VS
  • Jornal de Gramado
  • Diário de Cachoeirinha
  • Correio de Gravataí
Grupo Sinos
Publicado em 17/06/2015 - 23h24
Última atualização em 18/06/2015 - 08h39

Neymar joga pouco e seleção é derrotada pela Colômbia por 1 a 0

Atacante brasileiro foi expulso ao fim do jogo e está fora do confronto de domingo contra a Venezuela

João Linden - joao.linden@gruposinos.com.br

Foto: Mowa Press
Ele não aguentou. O peso que Neymar vem carregando nas costas nos últimos jogos da seleção é demais e derrubou o craque na primeira derrota brasileira na Copa América, nesta quarta-feira (17), por 1 a 0 para a Colômbia – gol de Murillo, aos 35min do primeiro tempo. O homem que veste a camisa 10 amarela (nesta noite azul) encarou um adversário bem armado e sucumbiu. Não dá para dizer que o jogador do Barcelona foi bem marcado pelos rivais – foi muito mais do que isso. Ele foi totalmente anulado. Teve poucas oportunidades de produzir algo e quando as teve, não mostrou forças para ir além.

Neymar está cansado e não só fisicamente. O jogador também está desgastado mentalmente. Ele vem de uma temporada intensa em seu clube, com a conquista de três títulos. Após a pressão de todas essas decisões, ele não queria estar no frio do Chile com a responsabilidade de ser capitão de um time mediano, que dependente exclusivamente de sua genialidade para vencer. A impressão que passa é que o craque está contando os minutos para que a partida termine logo.

Esse aparente desejo do jogador não é de agora. Até em sua decisiva exibição contra o Peru ele parece irritadiço. Com a cara fechada, 
não mostra mais alegria de jogar. Está apenas cumprindo uma árdua tarefa. Isso pode justificar suas constantes confusões, reclamações e, consequentes, cartões. Nesta quarta-feira o atacante tomou vermelho após o final do jogo e não pega a Venezuela, no domingo.

É comum que um jogador faça jogos ruins. O problema do Brasil é que o "cara" dessa seleção é Neymar, e sem ele o time perde quase todas as perspectivas de vitórias. Não há ninguém dentro de campo – e muito menos no banco – que possa ocupar seu papel. A situação é preocupante. Acendeu o sinal amarelo.

Publicidade